Produtores rurais se reinventam para continuar produzindo e comercializar alimentos

Julio Huber

O agronegócio nacional está se reinventando por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19), assim como inúmeros outros negócios. Apesar de não haver risco de desabastecimento de alimentos no país em virtude da pandemia, os pequenos produtores rurais enfrentam o desafio de chegar até o cliente que, por prevenção, mudou os hábitos de consumo e basicamente tem se alimentado dentro de casa.

Com feiras livres sendo impedidas de funcionar em vários municípios brasileiros, muitos agricultores perderam uma das principais formas de comercialização. Com isso, é momento de se reinventar. Sem contar que o fechamento de restaurantes também reduziu o consumo de produtos agrícolas.

Na unidade de Cariacica das Centras de Abastecimento do Espírito Santo (Ceasa), o movimento de veículos havia caído cerca de 22% na última semana, de acordo com o diretor-presidente Fernando Rocha.

Diante de um momento de crise, é hora de buscar soluções para o negócio e enxergar novas possibilidades, que incluem a realização de parcerias, sejam elas por meio de associações ou cooperativas, para fazer as entregas (delivery) e aumentar o mix de produtos.

No Espírito Santo, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-ES), entidade vinculada à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), está produzindo uma lista dos produtores rurais que estão fazendo entregas a domicílio. A lista está sendo disponibilizada no site da entidade (www.senar-es.org.br).

O produtor que quiser ter seu nome inserido na lista deve mandar uma mensagem para o WhatsApp: (27) 99847-8091. A mensagem deve conter o nome completo, telefone para contato, município de entrega e produto comercializado.

O Sebrae orienta que esse é um momento em que é preciso encarar a situação como uma oportunidade de se aproximar do cliente, ouvindo demandas e, assim, fidelizá-lo para que se lembre do seu negócio depois que a crise passar. Um exemplo é que pelo fato de muitos profissionais estarem trabalhando em casa em regime de home office, pode ser uma oportunidade para agregar valor ao produto, entregando-o em porções menores, já acondicionadas em kits específicos, como um kit de frutas, kit de folhosas e raízes, entre outros.

O produtor rural Edson Vieira Porto, da Fazenda Nova em Gameleira de Goiás, faz parte da Associação para o Desenvolvimento da Agricultura Orgânica de Goiás (ADAO-GO). Com o fechamento das feiras, ele concentrou a venda da produção de orgânicos nas entregas em domicílio aos sábados. Para oferecer variedade de produtos, ele e um grupo de produtores se organizaram para atender ao aumento da demanda pelo serviço.

“Ofereço uma lista de produtos para meus clientes e, a partir dos pedidos, pego o que não tenho com outros produtores e vice-versa. Assim garantimos um mix de produtos para satisfazer o cliente”, contou. Ele avalia que, neste momento, as demandas por delivery podem oferecer vantagens. “É uma venda mais garantida porque só colhemos o que está nos pedidos e não corremos o risco de voltar com os produtos, como às vezes acontece nas feiras”, contou.

O Sebrae recomenda que este momento de quarentena também seja uma oportunidade para os pequenos produtores rurais reunirem a família para discutir e planejar o empreendimento rural com ações de curto, médio e longo prazo. Além disso, devem rever os investimentos da produção para a próxima safra e, se os recursos estiverem apertados, reprogramar a produção, plantando em menos áreas da melhor forma possível, sem esquecer da qualidade do processo produtivo.

Atento às necessidades específicas desses empreendedores, o Sebrae preparou um conjunto de sugestões que podem ser adotadas para minimizar os prejuízos com a pandemia do novo Coronavírus:

Estabeleça novos canais de comercialização, principalmente de pequenos mercados locais. Existe uma tendência de os consumidores buscarem esse pequeno negócio;

Explore plataformas de comercialização e/ou vitrine de produtos online para encontrar novos clientes. O Sebrae criou a plataforma Mercado Azul para anúncio de produtos e serviços;

Utilize as redes sociais para divulgar seus produtos e agendas de entregas, criando uma rotina semanal. Ao divulgar a lista de produtos disponíveis, separe-os por grupos de alimentos para melhor visualização;

Estabeleça um dia e horário da semana para realizar as entregas aos clientes, sempre evitando a aglomeração e o contato físico com as pessoas neste momento. Não se esqueça que é preciso disponibilizar os produtos de forma segura e em condições adequadas de higiene e transporte;

Utilize a criatividade para o condicionamento do seu kit de produtos por cliente fidelizado para facilitar as entregas. Para isso, realize um planejamento prévio dos produtos que cada cliente deseja consumir semanalmente.

Últimas notícias

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...

Campanha pretende estimula consumo do produto no país

Tema foi debatido durante reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite ...

Conab afirma que clima prejudica oferta de hortaliças e frutas no país

Quem procura preços baixos no atacado terá que aguardar mais um pouco até ...

Congresso Brasil-Alemanha de Inovação acolhe também o tema de sustentabilidade

Um dos eventos mais tradicionais do ecossistema brasileiro de inovação e o maior ...