Produtores rurais se reinventam para continuar produzindo e comercializar alimentos

Julio Huber

O agronegócio nacional está se reinventando por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19), assim como inúmeros outros negócios. Apesar de não haver risco de desabastecimento de alimentos no país em virtude da pandemia, os pequenos produtores rurais enfrentam o desafio de chegar até o cliente que, por prevenção, mudou os hábitos de consumo e basicamente tem se alimentado dentro de casa.

Com feiras livres sendo impedidas de funcionar em vários municípios brasileiros, muitos agricultores perderam uma das principais formas de comercialização. Com isso, é momento de se reinventar. Sem contar que o fechamento de restaurantes também reduziu o consumo de produtos agrícolas.

Na unidade de Cariacica das Centras de Abastecimento do Espírito Santo (Ceasa), o movimento de veículos havia caído cerca de 22% na última semana, de acordo com o diretor-presidente Fernando Rocha.

Diante de um momento de crise, é hora de buscar soluções para o negócio e enxergar novas possibilidades, que incluem a realização de parcerias, sejam elas por meio de associações ou cooperativas, para fazer as entregas (delivery) e aumentar o mix de produtos.

No Espírito Santo, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-ES), entidade vinculada à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), está produzindo uma lista dos produtores rurais que estão fazendo entregas a domicílio. A lista está sendo disponibilizada no site da entidade (www.senar-es.org.br).

O produtor que quiser ter seu nome inserido na lista deve mandar uma mensagem para o WhatsApp: (27) 99847-8091. A mensagem deve conter o nome completo, telefone para contato, município de entrega e produto comercializado.

O Sebrae orienta que esse é um momento em que é preciso encarar a situação como uma oportunidade de se aproximar do cliente, ouvindo demandas e, assim, fidelizá-lo para que se lembre do seu negócio depois que a crise passar. Um exemplo é que pelo fato de muitos profissionais estarem trabalhando em casa em regime de home office, pode ser uma oportunidade para agregar valor ao produto, entregando-o em porções menores, já acondicionadas em kits específicos, como um kit de frutas, kit de folhosas e raízes, entre outros.

O produtor rural Edson Vieira Porto, da Fazenda Nova em Gameleira de Goiás, faz parte da Associação para o Desenvolvimento da Agricultura Orgânica de Goiás (ADAO-GO). Com o fechamento das feiras, ele concentrou a venda da produção de orgânicos nas entregas em domicílio aos sábados. Para oferecer variedade de produtos, ele e um grupo de produtores se organizaram para atender ao aumento da demanda pelo serviço.

“Ofereço uma lista de produtos para meus clientes e, a partir dos pedidos, pego o que não tenho com outros produtores e vice-versa. Assim garantimos um mix de produtos para satisfazer o cliente”, contou. Ele avalia que, neste momento, as demandas por delivery podem oferecer vantagens. “É uma venda mais garantida porque só colhemos o que está nos pedidos e não corremos o risco de voltar com os produtos, como às vezes acontece nas feiras”, contou.

O Sebrae recomenda que este momento de quarentena também seja uma oportunidade para os pequenos produtores rurais reunirem a família para discutir e planejar o empreendimento rural com ações de curto, médio e longo prazo. Além disso, devem rever os investimentos da produção para a próxima safra e, se os recursos estiverem apertados, reprogramar a produção, plantando em menos áreas da melhor forma possível, sem esquecer da qualidade do processo produtivo.

Atento às necessidades específicas desses empreendedores, o Sebrae preparou um conjunto de sugestões que podem ser adotadas para minimizar os prejuízos com a pandemia do novo Coronavírus:

Estabeleça novos canais de comercialização, principalmente de pequenos mercados locais. Existe uma tendência de os consumidores buscarem esse pequeno negócio;

Explore plataformas de comercialização e/ou vitrine de produtos online para encontrar novos clientes. O Sebrae criou a plataforma Mercado Azul para anúncio de produtos e serviços;

Utilize as redes sociais para divulgar seus produtos e agendas de entregas, criando uma rotina semanal. Ao divulgar a lista de produtos disponíveis, separe-os por grupos de alimentos para melhor visualização;

Estabeleça um dia e horário da semana para realizar as entregas aos clientes, sempre evitando a aglomeração e o contato físico com as pessoas neste momento. Não se esqueça que é preciso disponibilizar os produtos de forma segura e em condições adequadas de higiene e transporte;

Utilize a criatividade para o condicionamento do seu kit de produtos por cliente fidelizado para facilitar as entregas. Para isso, realize um planejamento prévio dos produtos que cada cliente deseja consumir semanalmente.

Últimas notícias

ATENÇÃO: chuva forte e rajadas de vento atingem a Grande Vitória e municípios do interior capixaba

A chuva forte prevista pela Coordenação de Meteorologia do Instituto Capixaba de Pesquisa, ...

Projeto do ES é selecionado em concurso de soluções para restaurar a bacia do rio Doce

Cinco iniciativas de plantio sustentável com fins econômicos foram selecionadas em parceria realizada ...

ES integra operação nacional Mata Atlântica em Pé

O balanço da ação no Estado será apresentado no próximo dia 1º, em entrevista ...

Programa CNA Jovem tem 3.742 inscritos e seleciona 1.400 para oficinas digitais

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) apresentou o primeiro balanço das atividades ...

Conab: safra brasileira de café é a segunda maior da história

Em seu 3º Levantamento da Safra 2020 de café, a Companhia Nacional de ...