Professor Molion alerta para risco de geada forte no final de julho

Preocupado com as condições climáticas e reflexos das constantes mudanças de temperatura em áreas de produção cafeeira, o Conselho Nacional do Café (CNC) convidou o professor e meteorologista Luiz Carlos Baldicero Molion para proferir palestra virtual nesta sobre o cenário climático atual nas regiões do Sul de Minas, Mogiana Paulista, Cerrado Mineiro, Espírito Santo e Bahia.

Por duas horas, e sob o olhar atento de conselheiros do CNC, associados e técnicos de cooperativas, Molion apresentou detalhes quanto às perspectivas de clima tanto para safra 2022/2023 do grão quanto para os próximos anos, que é de tendência de resfriamento e não de aquecimento global, segundo ele.

De maneira geral, ele adiantou que para essas regiões, em 2022, não vê grandes problemas com relação à falta de chuvas, mas chama a atenção para a entrada de pelo menos três massas de ar polar de maior risco: final de maio (de 25 a 30), início de junho (de 4 a 9), sendo a mais severa delas no final de julho (de 23 a 28). 

O meteorologista alertou ainda para o risco de se ter lavouras plantadas em terrenos baixos, em que o produtor deve se atentar ao zoneamento de riscos climáticos para o café. “Em caso de geada mais crítica, não existe método ou alternativa que possa salvar a lavoura. A maneira mais sensata é o produtor pegar o resultado de geadas anteriores e evitar o plantio nessas áreas da propriedade em que são bolsões de geadas. Olhar a face da terra onde planta o café”, pontuou.

MISSÃO IMPOSSÍVEL – O professor destacou na palestra, realizada na última quarta-feira (18), que previsão de clima é missão impossível. “Eu já desisti de modelos porque se não têm condições de reproduzir o clima atual, imagina previsão. Eu costumo usar previsão por previsibilidade ou, no caso, por similaridade. A gente olha como estão os oceanos – Pacífico e Atlântico – pois os dois juntos correspondem a 52% da superfície da terra, vê como foi o inverno nos EUA, na Europa e, com isso, cria um cenário e identifica um ano que foi semelhante a isso. No caso, similar a 2007”, explicou.

CHUVAS – Seguindo esse padrão, o professor acredita que 2022 terá chuvas dentro da média, com acumulado de 1.500 milímetros em determinadas regiões. “A preocupação maior é de outubro a dezembro, com uma redução de 25 a 30%”, destaca.

Para os próximos 15 anos, ele observa ainda uma menor frequência de el niños fortes, com chuvas mais localizadas e tempestades isoladas. Para concluir, o professor cita Francis Bacon: “Não podemos comandar a natureza, apenas obedecê-la”. Após a apresentação, foi aberto espaço aos participantes para perguntas e o esclarecimento de dúvidas. Assista abaixo a palestra, na íntegra.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Lançamento da Ruraltures será nesta quinta-feira (07) em Venda Nova do Imigrante

Foto: Gabriel Lordello/Mosaico Imagem O Montanhas Capixabas Convention & Visitors Bureau promoverá, amanhã ...

Sistema Cantareira opera em estado de alerta

Os últimos dias acenderam um alerta para o nível dos reservatórios que abastecem ...

Jovens agricultores participam de curso sobre formação de lideranças

Um dos pilares da Coordenadora Latino-americana e do Caribe de Pequenos Produtores e ...

Revista Negócio Rural vence prêmio de jornalismo de Pernambuco

O cooperativismo conecta pessoas e também histórias. Que similaridade poderia haver entre as ...

Serenata Italiana será no próximo sábado (09) em Venda Nova do Imigrante

Relembrar os costumes dos primeiros imigrantes italianos que chegaram em Venda Nova do ...