Professora troca a sala de aula pela propriedade rural

A professora Letícia Dalmazo Melotti trocou a sala de aula pela propriedade rural da família em São Domingos do Norte, noroeste capixaba, em 2015. Está investindo em café conilon de qualidade e se tornou uma microempreendedora rural, como ela mesma se identifica. Seu interesse pela agricultura nasceu depois de participar da Semana Internacional do Café (SIC) em 2018, com a caravana do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Espírito Santo (Senar-ES). 

“Já sabia que algumas famílias produziam conilon de qualidade no Estado e me interessei pelo assunto. Me inscrevi para participar da SIC e chegando lá conheci um outro mundo sobre degustação e barismo. Voltei com a certeza de que no ano seguinte levaria o meu café para ser provado por especialistas no evento”, declarou Letícia. 

Foi exatamente o que a produtora rural fez. Com o auxílio da Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar-ES aprendeu a trabalhar melhor com o café, conhecendo técnicas de manejo da produção e entendendo a importância da gestão para o controle de gastos e receitas da propriedade. 

“Plantei o café em 2015, mas tinha algo que me incomodava, principalmente, na época da colheita. Eu não queria ser igual a todo mundo. Queria fazer algo diferente. Desse incômodo, surgiu a possibilidade do ATeG e foi quando aprendi a técnica e adquiri todo o conhecimento que eu precisava”, revelou Letícia. 

Antes da SIC 2019, fez a análise sensorial de seu café em três locais diferentes no Espírito Santo e em todos eles conquistou mais de 80 pontos na bebida. “Quando levei o café para a SIC, um barista fez a prova e muitos produtores que estavam participando também. Todos ficaram satisfeitos com a qualidade”, disse. 

A produção de café de qualidade atraiu Letícia Melotti que, desde 2015, se tornou produtora rural 

Os resultados expressivos que Letícia colhe com a produção cafeeira de qualidade são frutos de um esforço e dedicação constantes. Todo o processo é feito de forma artesanal em sua propriedade: a “boia” para a separação do café com defeitos, a seleção manual de grãos verdes e maduros, a secagem em terreiro coberto, com monitoramento frequente da temperatura e da umidade, e a armazenagem apenas em sacos novos são alguns dos cuidados diários. 

A produtora também disse que busca estar sempre atenta às novidades do mercado. “Para adquirir conhecimento sobre a produção e aprimorar meus processos, além de receber a Assistência Técnica e Gerencial faço treinamentos presenciais e on-line. O Senar é um braço que temos na propriedade que clareia o caminho pra gente”, afirmou Letícia.

Hoje Letícia já comercializa seu Café Dal Maso moído e em grãos e pensa em produzir cápsulas. Ela faz vendas até mesmo pela internet. No futuro, a produtora ainda deseja ter um espaço para a recepção de turistas que passarem pela cidade. “Como moramos bem próximo da rodovia, penso em ter um espaço para a prova do café e, quem sabe um dia, uma cafeteria”, revelou. 

Ela não descarta a possibilidade de voltar a trabalhar com educação, aliada à agropecuária. “Pretendo ainda retornar à sala de aula e levar as atividades simultaneamente. Ser professor é trocar ideias e eu também amo isso”. 

Fonte: Senar-ES

Últimas notícias

Coops já podem enviar projetos para o PAA

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) liberou o sistema para recebimento dos projetos ...

Selo Arte para produtos de abelhas e derivados terá início em outubro

Podem receber o Selo produtos artesanais de abelhas Apis mellifera e de abelhas ...

Você conhece a Doença de Haff? Mapa monitora casos no Brasil

Orientação é que consumidor adquira pescado com selo de inspeção oficial O Ministério ...

Fórum Café e Clima apresenta condições da produção diante dos impactos climáticos

Como os cafezais estão reagindo diante do comportamento do clima, marcado por seca, ...

Bolsonaro veta projeto sobre medidas emergenciais de amparo à agricultura familiar

Foto: Veja O presidente Jair Bolsonaro vetou um projeto de lei sobre medidas ...