Reconhecimento e valorização a pecuaristas que cumprem o Código Florestal

Em reunião com representantes da indústria, varejo, produtores rurais, empresas de insumos e serviços, instituições financeiras e ONGs, o presidente do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS), Caio Penido, propôs mudança no atual cenário que coloca pecuaristas como vilão.

Destacando o Brasil como Potência Agroambiental, Penido sugeriu o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) executados por produtores, que cumprem critérios da sustentabilidade, com desmatamento ilegal zero e valorizam o Código Florestal brasileiro.

Durante a reunião que ocorreu nesta quinta-feira (29), de forma virtual, Caio Penido recebeu apoio dos participantes que, a partir de então, buscam fontes de recursos para a iniciativa. “Trata-se de uma ideia simples de valorização daqueles que preservam e cumprem com o desmatamento ilegal zero.

Diversos países apontam o dedo para o Brasil, mesmo sendo o país com a maior biodiversidade e altíssimos índices de preservação da vegetação nativa, inclusive dentro das fazendas. Chegam a sugerir desmatamento zero, sobressaindo ao nosso Código Florestal. Oferecer recursos para esse projeto ousado, seria uma contrapartida dessas nações, que já não contam com riquezas naturais, como as que preservamos aqui”, sugere o presidente do GTPS.

Os representantes das indústrias que participaram da reunião, apresentaram seus planos e sugeriram o não recebimento de animais para abate, quando originados em áreas irregulares: com desmatamento, terra indígena, incluídas em áreas embargadas pelo Ibama ou que contenham histórico de trabalho análogo ao escravo.

“O momento pede uma mudança de reconhecimento do pecuarista brasileiro sobre suas ações sustentáveis. Não deve haver espaço para quem não cumprir qualquer um dos itens da sustentabilidade. E a base para isso deve ser o nosso Código Florestal Brasileiro, que nos fortalece como potência agroambiental, a favor do desmatamento ilegal zero”, aponta Caio Penido.

“A própria Nasa constatou que aproximadamente 65% da nossa área é destinada à conservação.

A partir de então verifiquei que era o momento do GTPS assumir seu papel e inverter a narrativa e esse sentimento de injustiça com o Brasil, que chegou a 2020 pronto para oferecer ao mundo seus serviços ambientais, pronto para oferecer alimento, que podemos intensificar e produzir muito mais, pronto para fixar carbono no solo”, ressaltou o presidente, antes de finalizar com o questionamento: “quem é o país que mais pode colaborar agora com essas duas crises: segurança alimentar asiática e mudanças climáticas? É o Brasil.”

Fonte: Agro/A

Últimas notícias

Agricultores capixabas são autorizados a usar água rio Itabapoana para irrigação

A Agerh analisou 250 processos e emitiu 70 Outorgas de Uso da Água ...

Contribuição Sindical Rural pode ser paga até esta sexta (04)

A Contribuição Sindical Rural (CSR) fortalece a defesa dos interesses do campo e ...

Abertas as inscrições para o Encontro das Lideranças do Cooperativismo Capixaba

Evento será realizado totalmente no formato digital no dia 17 de dezembro (quinta-feira), ...

Contratações de crédito rural entre julho e novembro têm alta de 19%

As contratações das operações de crédito rural da safra 2020/2021 somaram R$ 108,7 ...

Premiação distribui R$ 130 mil para os produtores dos melhores cafés do Espírito Santo

Fotos: Sidney Dalvi e Hélio Filho/Secom Os melhores cafés especiais capixabas foram eleitos ...