Safra 2020 de café não gerará excedente, aponta CNC

Presidente da entidade informa que recorde de recursos do Funcafé permitirá um melhor e mais rentável escoamento da colheita

A colheita da safra 2020 de café do Brasil se aproxima e o comportamento do clima, até o momento, indica que deveremos colher um volume dentro do intervalo apontado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), entre 57,2 milhões e 62 milhões de sacas de 60 kg.

Segundo o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro, como os estoques nacionais do produto estão em seus menores níveis históricos, o montante a ser colhido será suficiente para que o Brasil honre seus compromissos com exportação e consumo interno, sem gerar excedentes.

“Com esse equilíbrio entre oferta e demanda, o mercado pode ter menores oscilações e os preços voltarem a ficar em níveis que gerem renda aos produtores”, projeta.

Brasileiro comenta, contudo, que é corriqueiro, nessa época do ano, surgirem diversas especulações tendenciosas a respeito da safra brasileira. “O Brasil é o maior produtor mundial e jogar ao vento que teremos supersafra, safra recorde, só interessa a esses players, já que atuam com a intenção de depreciar o valor do produto e o comprarem a preços mais baixos”, critica.

O presidente do CNC recorda que uma das formas possíveis para cafeicultor e cooperativas de produção não serem afetados pelas oscilações geradas por especulações ocorreu na semana passada, quando o Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) aprovou orçamento recorde de R$ 5,71 bilhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para a safra 2020.

Do total a ser disponibilizado para a cafeicultura a partir de julho deste ano, foram aprovados R$ 2,3 bilhões para a linha de financiamento de Estocagem; R$ 1,6 bilhão para Custeio; R$ 1,15 bilhão para Aquisição de Café (FAC); R$ 650 milhões para Capital de Giro; e R$ 10 milhões para Recuperação de Cafezais Danificados.

“Essa disponibilização recorde do Funcafé reflete o trabalho que realizamos e a sensibilidade do governo federal, principalmente da ministra (da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) Tereza Cristina e sua equipe, frente ao cenário de descapitalização dos produtores, gerados por seguidos anos de preços aviltados e custos elevados. Os recursos serão fundamentais para que os produtores não sejam pressionados a vender nos momentos de baixa e possam escoar sua safra ao longo dos 12 meses, otimizando sua renda”, destaca Brasileiro.

O presidente do CNC orienta que, dotados de orçamento do Funcafé, produtores e cooperativas se atentem às possibilidades que o mercado apresenta relacionadas a cotações e taxa de câmbio. “Eventualmente aparecem janelas de oportunidades nas quais podemos fixar preços futuros para o café. Não podemos perdê-las”, conclui.

CORONAVÍRUS E OFERTA – O Conselho também segue a linha adotada pelo Ministério da Agricultura e pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) nesta semana e aponta que a cafeicultura, assim como todo o setor agro, não parará, assegurando o abastecimento do produto aos consumidores.

“Talvez enfrentemos algum problema relacionado ao transporte das cargas, principalmente para o exterior, com a possibilidade de falta de contêineres que estão paralisados nos portos da China em função da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), mas desabastecimento não haverá”, pondera Brasileiro.

Na quarta-feira (18), a ministra Tereza Cristina destacou, em nota, que o Brasil é um grande celeiro, produtor de alimentos, e “não precisamos ter nenhuma expectativa negativa de que não teremos alimentos para nosso povo”, referindo-se às mudanças na rotina dos brasileiros impostas pela pandemia de Covid-19.

A ministra salientou, ainda, que a população deve se manter tranquila em relação à oferta de produtos alimentícios no varejo e elogiou os produtores rurais. “São os nossos heróis, que neste momento estão lá (no campo) dando duro, produzindo e realizando a maior safra colhida neste país, batendo recorde um sobre o outro para alimentar nossa população”.

A CNA, na mesma data, afirmou que as atividades de produção e comercialização de alimentos permanecerão ativas, pois a demanda não será reduzida pela crise.

“Do contrário, se faltarem alimentos ou se houver irregularidades no abastecimento, a saúde das pessoas será afetada e a própria harmonia social, que tanto precisamos nessa hora, será atingida (…) por essas razões, o Sistema CNA, em nome dos produtores rurais brasileiros, assegura à população que continuaremos produzindo normalmente”, posiciona-se a Confederação.

PREVENÇÃO E PRECAUÇÕES – O CNC enaltece que é necessário que o Brasil coloque em prática medidas sensatas no combate à propagação do novo coronavírus, atendendo à orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para isolamento e paralização das atividades sociais, que tem gerado resultados iniciais satisfatórios para a contenção.

Por outro lado, a entidade entende que, assim como o agro, os serviços sanitários, diante da gravidade do quadro atual, precisam ser mantidos, como os hospitais e todos os segmentos da cadeia de saúde, de forma que a população receba o amparo necessário nesse momento.

“Em tempo, externamos nossa gratidão a todos esses heróis trabalhadores da saúde no Brasil e no mundo. Sem dúvida, vocês fazem a diferença nesse momento crítico e contribuirão para voltarmos o mais rápido possível à normalidade”, agradece o presidente do CNC.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Senar abre cursos técnicos sobre agronegócio e fruticultura

Termina no próximo dia 27 as inscrições para cursos técnicos de agronegócio e ...

Pêssegos com tecnologia da Embrapa ganham mercados no Hemisfério Norte

Há duas safras, produtores brasileiros de pêssego têm aproveitado um intervalo de produção ...

Safra de café em 2021 poderá ter redução de até 30,5%, segundo Conab

Foto: Julio Huber Julio Huber A safra de café no Brasil para 2021 ...

Produção de queijos é a segunda maior em agroindústrias do Espírito Santo

A produção de queijos está entre as modalidades mais lucrativas para a agricultura ...

Cooperativa cria moeda digital para troca de café por mercadorias

Empresa adotou o Dynamics para o gerenciamento do Coffee Coin, bem como para ...