Seag lança campanha de valorização das mulheres rurais e da pesca

A Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), em parceria com o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), dá início a uma série de depoimentos das mulheres que fazem a diferença na agricultura do Espírito Santo.  A campanha “Quem são elas?” faz parte do Programa Elas no Campo e na Pesca que tem por objetivo principal promover a visibilidade, a valorização do trabalho feminino e a autonomia econômica e financeira das mulheres.

A campanha foi uma estratégia criada pela equipe responsável pelo projeto para enfrentar essa invisibilidade e debater o tema, mostrando e reforçando a importância e a relevância da atuação feminina no meio rural e na pesca. Ela vai mostrar histórias de vida, relatos e imagens de técnicas da área, agricultoras e pescadoras.

“As mulheres são responsáveis por mais de 50% da produção de alimentos do mundo, também têm um papel fundamental no desenvolvimento da agricultura familiar e da permanência das famílias no campo.

Em 2019, atendemos 1.290 mulheres com 700 ações de assistência técnica realizada pelo Incaper e parceiros. Juntos estamos resgatando a autoestima dessas mulheres e mostrando aos capixabas a força e o trabalho grandioso que cada uma desempenha no Estado”, salientou o secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Paulo Foletto.

“O trabalho realizado pela mulher agricultora ou pescadora não é visto, e tão pouco reconhecido como um trabalho, às vezes, é considerado extensão dos seus afazeres domésticos, uma extensão do seu papel de mãe,esposa,dona de casa, provedora dos cuidados com a família, ou como um modo de ajuda ou complemento ao trabalho do marido”, explicou a coordenadora do projeto Elas no Campo e na Pesca, Patrícia Ferraz.

O Censo Agropecuário 2017 revelou que as mulheres são consideradas responsáveis por apenas 19% das propriedades no Brasil.

No Espirito Santo, esse percentual cai para 14% das propriedades, sendo que elas representam 47% da população rural. “Isso ocorre, especialmente, devido ao reconhecimento do homem como “chefe da família”, tanto pela sociedade quanto pelas instituições, o que impacta na condição social da mulher. Esse não reconhecimento do trabalho feminino torna-o invisível para a economia formal”, ressaltou Patrícia.

O diagnóstico elaborado no âmbito do projeto “Elas no campo e na pesca: Empreendedorismo, Liderança e autonomia”, ouviu mulheres rurais e da pesca e as profissionais da área do Estado (técnicas agrícolas, engenheiras agrônomas, economistas domésticos, zootecnistas, médicas veterinárias, administradoras, etc.).

“Identificamos que o problema que mais as incomoda é o fato de a sociedade e as instituições não reconhecerem e muitas vezes não enxergarem seu esforço e a importância do seu trabalho. Essa condição de desvalorização impacta diretamente na autoestima e no desejo das mesmas de continuarem exercendo suas atividades”, disse Patrícia.

Fonte: Seag

Últimas notícias

Tradição familiar no agronegócio em evidência na Praça do Papa

A tradição familiar marca o agronegócio capixaba, que, segundo dados do Governo do ...

Ação de fiscalização do Mapa apreende 173 mil litros de bebidas com indícios de fraude

Uma ação de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) resultou ...

Mapa reforça vigilância após ocorrências de Peste Suína Africana na República Dominicana

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informa que está acompanhando e ...

Cooperação alemã investe U$ 2 milhões em projeto de apoio ao Comércio Justo na América Latina e Caribe

Mais de 84 mil produtores(as) da região da América Latina e do Caribe ...

Agricultura familiar recebe investimentos no Espírito Santo

Para comemorar a Semana da Agricultura Familiar, o Governo do Estado anunciou um ...