Seca e calor devem afetar próximas duas safras de café no Brasil

Foto: Julio Huber

Em reunião virtual realizada na última segunda-feira (30), os conselheiros diretores do Conselho Nacional do Café (CNC) definiram o posicionamento da entidade em relação à severa estiagem e às altas temperaturas que atingiram o cinturão produtor de café do Brasil, principalmente em agosto e setembro, o que deverão ocasionar perdas significativas na safra 2021 e ter possíveis reflexos na colheita de 2022.

Com base nas deliberações da reunião, o CNC, entidade que congrega as principais cooperativas de produção e de crédito voltadas à cafeicultura no país, entregou, na última quarta-feira (2), seu posicionamento à ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, ao secretário de Política Agrícola e ao diretor do Departamento de Abastecimento e Comercialização do Mapa, César Halum e Silvio Farnese, respectivamente.

“Diante do monitoramento que o nosso cooperativismo de produção e de crédito vem analisando no campo, nesse segundo semestre, apresentamos ao governo federal que o cenário climático impactará o desenvolvimento das safras brasileiras de café em 2021 e 2022. Isso porque, além da redução normal na produtividade, no ano que vem, devido ao ciclo de baixa da bienalidade do arábica, o calor e a seca também gerarão perdas devido ao abortamento de gemas florais e à redução do potencial produtivo das lavouras novas”, explica Silas Brasileiro, presidente do CNC.

De acordo com ele, o governo foi informado que o setor já iniciou discussões para desenhar cenários e está preparado para apresentar e debater propostas eficazes para a proteção da renda dos cafeicultores.

“Aos produtores que sofrerem perdas significativas na safra 2021/22 em função das adversidades climáticas, pretendemos apresentar, tempestivamente, as melhores propostas que viabilizem a recuperação de seus cafezais e a continuidade, de forma rentável, na atividade. Por isso, solicitamos aos governantes a preservação dos recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), pois eles são essenciais para manter o potencial produtivo dos cafezais”, comenta.

O presidente do CNC aponta que, nesse momento, quando o Brasil acaba de finalizar uma safra produtiva, “de ótima qualidade e rentável”, é necessário focar o monitoramento do campo, a avaliação do potencial produtivo e o planejamento para a colheita 2021, com responsabilidade e fundamentação técnica.

“Qualquer medida ou proposta de projeto que surja, atualmente, não terá uma fundamentação técnica adequada. Há necessidade de observarmos o comportamento do clima até o começo de 2021, pois ele sinalizará se ocorrerão mais perdas ou a mitigação de prejuízos. Além disso, é sensato aguardar o primeiro levantamento da Conab (em 21 de janeiro), que, junto com a apuração de nossas cooperativas, apresentará avaliação quantitativa das perdas futuras, servindo de base para o desenho de quaisquer políticas necessárias para a proteção da renda dos cafeicultores”, conclui.

Texto: Paulo André C. Kawasaki/Assessoria de Comunicação CNC

Últimas notícias

Mapa descarta mais de 41 mil garrafas de azeite de oliva adulterado

Análises laboratoriais constataram presença de óleo de soja, corantes e aromatizantes nos produtos ...

Crédito rural transforma vida de agricultores familiares no Estado

Agricultor Rogério Kruger em sua lavoura de inhame em Santa Leopoldina O preparo ...

Cientistas usam drones com câmeras inclinadas para monitorar gado no pasto

Imagens oblíquas  e tecnologias de aprendizado profundo (deep learning), como as redes neurais computacionais, ...

Conab atualiza ferramenta de pesquisa dos preços diários do mercado de hortifrutis

Desde a última quarta-feira (20), ficou mais fácil realizar a pesquisa de dados ...

Nova lei permite a produtor rural requerer recuperação judicial

Entrou em vigor ontem (24), após alguns vetos presidenciais, a Lei 14.112/2020, que ...