Setor de flores em vasos supera a Covid-19 e encerra 2020 com crescimento de 10%

Com mais pessoas em casa, cuidando não apenas de seus jardins, mas do próprio bem-estar, o crescimento foi garantido pelas plantas ornamentais e pelas flores em vaso. No entanto, o setor sofre com as perdas acumuladas de 40% no setor de flores de corte, mais usadas na decoração dos eventos, ainda proibidos devido ao isolamento social. Os produtores aproveitam a época de festas para sugerir decorações naturais para o Natal e Réveillon.

As pessoas descobriram as flores e as plantas verdes também para garantir mais vida e alegria aos ambientes residenciais que passaram a servir também como escritório (home office) e escola. Embora em um primeiro momento, no início da pandemia e estabelecimento da quarentena, as vendas de flores e plantas ornamentais tenham sofrido a brusca queda de mais de 90%, ao longo do ano o mercado floricultor brasileiro foi se recuperando e fechará 2020 com crescimento geral de 10%.

O presidente do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), Kees Schoenmaker, informa que, no geral, o crescimento do setor no Brasil será de 10%, porém fortemente concentrado nos vasos com flores e plantas verdes (ornamentais). Foi a partir de maio que esse setor começou a fase de recuperação, com o Dia das Mães, e a situação mudou. As demissões no setor, que chegaram, no máximo, a 10%, foram revertidas.

Os produtores se readequaram, alguns mudaram os produtos (espécies e variedades de flores), mas, no geral, reagiram junto com a demanda.  “Para o próximo ano, a gente estima um crescimento entre 8% e 9%, com o pé no chão e ainda considerando o impactado da Covid-19”, diz.

Para a Cooperativa Veiling Holambra (CVH), a mais importante do país, apesar de todos os contratempos vividos neste ano e da baixa sofrida pelos produtos de corte, devido ao cancelamento e à proibição dos eventos, a expectativa é de fechar o ano com crescimento entre 8% e 10% no faturamento geral, em relação a 2019. A avaliação é feita pelo Departamento Comercial da Cooperativa. De acordo com os mais de 400 produtores da CVH, o papel da cooperativa foi fundamental para o enfrentamento da crise do setor.

FLORES E PLANTAS DE NATAL – Os produtores também tiveram importante papel para esses resultados. Mesmo sem os grandes eventos do setor, como o Enflor e a Expoflora, eles adequaram suas produções às demandas que foram surgindo, de forma a recuperar os granes prejuízos do início do ano. E pretendem concluir 2020 ainda com muito trabalhando, movimentando o setor por meio do oferecimento de produtos para a decoração das festas familiares que devem marcar o Natal e o Réveillon 2020.

As plantas mais associadas a essas datas, como as tuias (pinheiros) e as poinsettias (bico de papagaio) sofreram, no geral, redução em torno de 15% no volume diante da incerteza motivada pela pandemia. A maior parte dos produtores não projetou crescimento no momento da reserva das mudas, que aconteceu no início do ano e, em alguns casos, houve, inclusive, redução do plantio. No entanto, a Cooperativa projeta um crescimento no faturamento em torno de 20% apenas dessas duas espécies.

No sítio Panorama, o produtor Renê Vernoy perdeu, durante a pandemia, todo o cyclamen plantado – mais de 100 mil vasos -, amargando prejuízos de R$ 1,5 milhão. Ele espera compensar a perda com as poinsettias e, pelo menos, empatar a receita. No entanto, enquanto a maioria reduziu a produção, ele investiu no cultivo de 140 mil vasos da flor para o Natal, no pote 11, que representam 40% a mais do que o produzido no ano passado, e mais 36 mil vasos no pote 14 (pretendia produzir 50 mil, mas teve problema com a qualidade das mudas).

As flores foram plantadas no período de julho a setembro e começaram a ser vendidas logo após Finados. Ele espera vender toda a produção até a próxima semana. Para 2021, no entanto, não tem previsão. “As mudas, compradas em euros, tiveram mais de 30% de aumento e estão faltando materiais para embalagens (vasos, papelão etc.). Não sabemos se os consumidores conseguirão absorver esses aumentos de custos”, diz.

SHOPPING CENTERS – Nos shoppings centers a decoração de Natal também inclui cada vez mais as flores e plantas. Arranjos nas cores verde e vermelha embelezam os corredores do Iguatemi Campinas neste final de ano, complementando a decoração de Natal do shopping e mantendo a tradição do centro de compras de criar projetos paisagísticos diferenciados nas principais datas comemorativas.

“O paisagismo é um dos pontos altos da arquitetura não só do Iguatemi Campinas como dos demais shoppings da rede Iguatemi, tanto que possuímos um departamento exclusivo trabalhando diariamente para manter nossos vasos, canteiros e jardins sempre impecáveis. Os clientes adoram e aguardam ansiosamente para conferir o que será preparado pela equipe em cada uma das datas do comércio, sempre se surpreendendo com resultados incríveis”, afirma o gerente geral do shopping, Paulo Tilkian Filho.

Fonte: Ateliê da Notícia

Últimas notícias

Definidas condições para liberação de linha de crédito para cafeicultores atingidos por geadas

O Voto será submetido ao Conselho Monetário Nacional, para em seguida disponibilizar essa ...

Congresso das Mulheres do Agronegócio terá debate sobre “Bioeconomia” e a relação entre o progresso econômico e o meio-ambiente

Mesa-redonda reunirá representantes de diferentes elos da cadeia produtiva para discutir os melhores ...

Exportações do agronegócio batem recorde para setembro, com US$ 10,1 bilhões

O complexo soja e as carnes foram destaques nas exportações do mês, registrando ...

Lançadas as primeiras variedades de batata coloridas do Brasil

Chegam ao mercado nacional as primeiras variedades de batata coloridas desenvolvidas no Brasil ...

Cooperativa lança plataforma com o maior acervo digital do agro

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) coloca no ar hoje (15), a maior ...