Setor de flores em vasos supera a Covid-19 e encerra 2020 com crescimento de 10%

Com mais pessoas em casa, cuidando não apenas de seus jardins, mas do próprio bem-estar, o crescimento foi garantido pelas plantas ornamentais e pelas flores em vaso. No entanto, o setor sofre com as perdas acumuladas de 40% no setor de flores de corte, mais usadas na decoração dos eventos, ainda proibidos devido ao isolamento social. Os produtores aproveitam a época de festas para sugerir decorações naturais para o Natal e Réveillon.

As pessoas descobriram as flores e as plantas verdes também para garantir mais vida e alegria aos ambientes residenciais que passaram a servir também como escritório (home office) e escola. Embora em um primeiro momento, no início da pandemia e estabelecimento da quarentena, as vendas de flores e plantas ornamentais tenham sofrido a brusca queda de mais de 90%, ao longo do ano o mercado floricultor brasileiro foi se recuperando e fechará 2020 com crescimento geral de 10%.

O presidente do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), Kees Schoenmaker, informa que, no geral, o crescimento do setor no Brasil será de 10%, porém fortemente concentrado nos vasos com flores e plantas verdes (ornamentais). Foi a partir de maio que esse setor começou a fase de recuperação, com o Dia das Mães, e a situação mudou. As demissões no setor, que chegaram, no máximo, a 10%, foram revertidas.

Os produtores se readequaram, alguns mudaram os produtos (espécies e variedades de flores), mas, no geral, reagiram junto com a demanda.  “Para o próximo ano, a gente estima um crescimento entre 8% e 9%, com o pé no chão e ainda considerando o impactado da Covid-19”, diz.

Para a Cooperativa Veiling Holambra (CVH), a mais importante do país, apesar de todos os contratempos vividos neste ano e da baixa sofrida pelos produtos de corte, devido ao cancelamento e à proibição dos eventos, a expectativa é de fechar o ano com crescimento entre 8% e 10% no faturamento geral, em relação a 2019. A avaliação é feita pelo Departamento Comercial da Cooperativa. De acordo com os mais de 400 produtores da CVH, o papel da cooperativa foi fundamental para o enfrentamento da crise do setor.

FLORES E PLANTAS DE NATAL – Os produtores também tiveram importante papel para esses resultados. Mesmo sem os grandes eventos do setor, como o Enflor e a Expoflora, eles adequaram suas produções às demandas que foram surgindo, de forma a recuperar os granes prejuízos do início do ano. E pretendem concluir 2020 ainda com muito trabalhando, movimentando o setor por meio do oferecimento de produtos para a decoração das festas familiares que devem marcar o Natal e o Réveillon 2020.

As plantas mais associadas a essas datas, como as tuias (pinheiros) e as poinsettias (bico de papagaio) sofreram, no geral, redução em torno de 15% no volume diante da incerteza motivada pela pandemia. A maior parte dos produtores não projetou crescimento no momento da reserva das mudas, que aconteceu no início do ano e, em alguns casos, houve, inclusive, redução do plantio. No entanto, a Cooperativa projeta um crescimento no faturamento em torno de 20% apenas dessas duas espécies.

No sítio Panorama, o produtor Renê Vernoy perdeu, durante a pandemia, todo o cyclamen plantado – mais de 100 mil vasos -, amargando prejuízos de R$ 1,5 milhão. Ele espera compensar a perda com as poinsettias e, pelo menos, empatar a receita. No entanto, enquanto a maioria reduziu a produção, ele investiu no cultivo de 140 mil vasos da flor para o Natal, no pote 11, que representam 40% a mais do que o produzido no ano passado, e mais 36 mil vasos no pote 14 (pretendia produzir 50 mil, mas teve problema com a qualidade das mudas).

As flores foram plantadas no período de julho a setembro e começaram a ser vendidas logo após Finados. Ele espera vender toda a produção até a próxima semana. Para 2021, no entanto, não tem previsão. “As mudas, compradas em euros, tiveram mais de 30% de aumento e estão faltando materiais para embalagens (vasos, papelão etc.). Não sabemos se os consumidores conseguirão absorver esses aumentos de custos”, diz.

SHOPPING CENTERS – Nos shoppings centers a decoração de Natal também inclui cada vez mais as flores e plantas. Arranjos nas cores verde e vermelha embelezam os corredores do Iguatemi Campinas neste final de ano, complementando a decoração de Natal do shopping e mantendo a tradição do centro de compras de criar projetos paisagísticos diferenciados nas principais datas comemorativas.

“O paisagismo é um dos pontos altos da arquitetura não só do Iguatemi Campinas como dos demais shoppings da rede Iguatemi, tanto que possuímos um departamento exclusivo trabalhando diariamente para manter nossos vasos, canteiros e jardins sempre impecáveis. Os clientes adoram e aguardam ansiosamente para conferir o que será preparado pela equipe em cada uma das datas do comércio, sempre se surpreendendo com resultados incríveis”, afirma o gerente geral do shopping, Paulo Tilkian Filho.

Fonte: Ateliê da Notícia

Últimas notícias

Produção de queijos é a segunda maior em agroindústrias do Espírito Santo

A produção de queijos está entre as modalidades mais lucrativas para a agricultura ...

Cooperativa cria moeda digital para troca de café por mercadorias

Empresa adotou o Dynamics para o gerenciamento do Coffee Coin, bem como para ...

Capixabas investem em negócios inusitados e conquistam mercado internacional

Criada pelo empreendedor André Scampini, a aguardente Cacahuatl já teve amostras enviadas para ...

Cafés especiais proporcionam experiências sensoriais aos consumidores

Os amantes de café sabem que a bebida pode ter inúmeros sabores e ...

Normas para produção integrada de folhosas entram em vigor em fevereiro

O objetivo é garantir segurança e qualidade desses alimentos a partir da aplicação ...