Ufes obtém registro de nova cultivar de café conilon com alto teor de cafeína

A Ufes obteve o registro de mais uma cultivar de café conilon no Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa): a Forte Guarani (de nome científico Coffea canephora Pierre ex A. Froehner). Esse foi o primeiro trabalho com foco numa cultivar com altos teores de cafeína em grãos de conilon.

O melhoramento da semente foi realizado pelos pesquisadores da Ufes Fábio Luiz Partelli e Gleison Oliosi, e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Adriana Farah e Juliana de Paula Lima, com a parceria dos cafeicultores Hermes Joaquim Partelli e Valnei Marcos Partelli. A pesquisa recebeu o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Continua após o anúncio

Segundo o professor Fábio Luiz Partelli, também diretor de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Ufes (PRPPG), o genótipo Forte Guarani destacou-se pela produção e por alto teor de cafeína no grão, sendo observado em uma lavoura de semente cultivada no interior do município de Vila Valério, no noroeste do Espírito Santo. 

A identificação ocorreu no final da década de 1990 na propriedade Sítio Araripe, do cafeicultor Hermes Partelli. Posteriormente, foi propagada de forma vegetativa, sendo cultivada por anos na propriedade da família. Diversos agricultores da região e até mesmo de outras localidades do norte do estado e do leste de Minas Gerais trabalharam com a semente.

“Para a escolha do genótipo Forte Guarani, foi considerado o vigor e a resistência a pragas e doenças, tendo produtividade satisfatória e os maiores teores de cafeína no grão, quando comparado aos outros 42 genótipos avaliados na mesma ocasião”, afirma o professor. 

CARACTERÍSTICA – A cultivar apresenta 5,30 centímetros de distância média de entrenó de ramos plagiotrópicos, 15,86 centímetros de comprimento médio de folha e 6,50 centímetros de largura média das folhas. A média do teor de cafeína nos grãos em dois anos foi de 2,68 gramas por 100 gramas no grão cru, enquanto a média dos demais genótipos avaliados foi de 1,86 grama por 100 gramas.

A expectativa é que, com características desejáveis e, sobretudo, altos teores de cafeína e produtividade satisfatória, ela tenha grande aceitação entre os cafeicultores, podendo ser cultivada em condições climáticas similares às que foram testadas.

De acordo com o professor Partelli, o cultivo é recomendado para o Espírito Santo, sul da Bahia e leste de Minas Gerais, em altitude inferior a 500 metros. “E que seja cultivado com genótipos em linha, tendo até 66% da cultivar Forte Guarani e 33% de uma mistura de genótipos para garantir a fecundação”, afirmou.

Fonte: Ufes

Últimas notícias

Confirmada: 11ª Feira de Negócios Coocafé será presencial

Um dos principais eventos realizados para o cooperado Coocafé é a Feira de ...

Alunos aprendem, na prática, como vacinar o rebanho

Mais uma ação do projeto “Vai pra Roça” foi realizada em São Gabriel ...

Conab lança modalidade de leilão para abastecer pecuaristas

Uma novidade foi lançada pela Companhia Nacional de Abastecimento  (Conab) para os pecuaristas ...

Alysson Paolinelli, indicado ao Nobel da Paz, participará da Feira de Agronegócios da Cooabriel

Indicado ao prêmio Nobel da Paz em 2021, o ex-ministro e professor Alysson ...

Prazo para vacinar animais de 0 a 2 anos contra febre aftosa está acabando

A vacinação de bovinos e bubalinos acontece até o dia 31 de maio ...