Valor de mercado de defensivos aplicados deverá cair 11,8% em 2020

O mercado de defensivos agrícolas deve ter redução de 11,8% no valor em dólar de produtos aplicados em 2020, com faturamento de US$ 11,994 bilhões. Em 2019, a receita atingiu US$ 13,603 bilhões. A projeção é do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), a partir de levantamento encomendado à consultoria especializada.

“De janeiro a setembro, a perda cambial foi de 15% para o setor”, informa o presidente do Sindiveg, Julio Borges Garcia. “A intensa desvalorização do real frente ao dólar neste ano tem sido um importante desafio para a indústria de defensivos agrícolas, que tem a maior parte dos seus custos na importação de insumos e matérias-primas. Devido à grande variação cambial, não foi possível fazer o repasse integral do aumento dos custos”, diz o dirigente.

Por outro lado, a área tratada está maior em 2020 principalmente por dois fatores, sendo um deles a ampliação da área de plantio em diversas culturas – 3,4% na soja, 4% no milho e 3% no algodão. “Outro motivo fundamental está ligado ao aumento da pressão dos desafios fitossanitários nas lavouras, especialmente insetos (como percevejos e cigarrinhas), fungos (que causam doenças como a ferrugem asiática e a ramulária) e plantas daninhas resistentes (com destaque especial ao caruru e à buva)”, destaca Julio Garcia.

Com isso, a área tratada com defensivos agrícolas deve crescer em torno de 6,5% até o fim de 2020, estima o Sindiveg. As projeções indicam salto de 1,562 bilhão para 1,664 bilhão de hectares tratados. Esse resultado é obtido pela multiplicação da área tratada em hectares pelo volume de produtos utilizados e, ainda, pelo total de aplicações realizadas.

As pragas e as doenças agrícolas representam um desafio crescente para os agricultores. Se não bem manejadas, podem provocar redução de até 100 milhões de toneladas na produção agrícola.

“Nosso clima e temperatura, que tanto beneficiam a produção de até três safras durante o ano, tornando o Brasil um dos maiores produtores de alimento do mundo, também são ideais para a disseminação desses inimigos da produtividade, que se apresentam cada vez mais resistentes e desafiadores”, destaca o presidente do Sindiveg.

Segundo ele, o manejo integrado, o correto preparo do solo, a rotação de culturas, a boa seleção de sementes, a nutrição e o uso dos produtos biológicos e químicos de maneira científica e correta são os pilares que garantem a proteção dos cultivos e a consequente ampliação da produção de alimentos.

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) representa a indústria de produtos para defesa vegetal no Brasil há 79 anos. Reúne 26 associadas, distribuídas pelos diversos Estados do país, o que representa aproximadamente 40% do setor.

Fonte: Texto Comunicação Corporativa

Últimas notícias

Definidas condições para liberação de linha de crédito para cafeicultores atingidos por geadas

O Voto será submetido ao Conselho Monetário Nacional, para em seguida disponibilizar essa ...

Congresso das Mulheres do Agronegócio terá debate sobre “Bioeconomia” e a relação entre o progresso econômico e o meio-ambiente

Mesa-redonda reunirá representantes de diferentes elos da cadeia produtiva para discutir os melhores ...

Exportações do agronegócio batem recorde para setembro, com US$ 10,1 bilhões

O complexo soja e as carnes foram destaques nas exportações do mês, registrando ...

Lançadas as primeiras variedades de batata coloridas do Brasil

Chegam ao mercado nacional as primeiras variedades de batata coloridas desenvolvidas no Brasil ...

Cooperativa lança plataforma com o maior acervo digital do agro

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) coloca no ar hoje (15), a maior ...