Veja os alimentos que tiveram menor preço com pandemia no país

A alface teve o preço mais baixo do País na Ceasa do Espírito Santo

Alface, tomate e melancia tiveram os preços reduzidos em abril, em meio às medidas de restrição devido à pandemia de Covid-19 e à sazonalidade da oferta. A conclusão é do 5º Boletim do Prohort da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta quinta-feira (21).

Segundo o estudo, o tomate chegou a ter queda de preços de 29,60% na Central de Abastecimento (Ceasa) do Rio de Janeiro e de 23,10% na Central de Belo Horizonte. Já a alface, afetada sobretudo por estes tempos da pandemia do coronavírus e do clima frio que inibe as compras em algumas localidades, apresentou menor volume para comercialização e redução de preços. As maiores baixas ocorreram na Central de Vitória (29%), mas também em Belo Horizonte (25,84%) e na Ceagesp, São Paulo (3,03%).

Por outro lado, os preços da batata e da cebola apresentaram-se em alta, inclusive, bastante significativas. Para a batata, a continuidade do declínio da safra das águas quase em seu final e a presença ainda insignificante da nova safra fizeram a menor oferta pressionar os preços para cima. Estes movimentos foram unânimes nos mercados analisados, registrando altas entre 2,34% na Ceasa Minas – Belo Horizonte e 33,18% na Ceasa/RJ – Rio de Janeiro. No caso da cebola, os incrementos de preços foram ainda maiores. Os percentuais de alta ficaram entre 26,75% na Ceasa/GO – Goiânia e 80,20% na Ceagesp – São Paulo. O abastecimento concentrado na produção do Sul do país, em declínio em abril, e o atraso na saída da produção nordestina, em função das chuvas na região, pressionaram as cotações no sentido de aumento.

No caso das frutas, a melancia foi a que teve maior redução percentual de preços, chegando a ser vendida na Central de Goiânia com queda de 33,18%. A redução de preços ocorreu em virtude da fraca demanda resultante de chuvas em alguns centros consumidores e frio em outros, fatores que reduzem o consumo dessa fruta. A banana nanica e a prata tiveram menor produção em São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais, grandes produtores nacionais. Mesmo com a menor oferta, a redução na demanda, em decorrência das medidas de isolamento social (fechamento de escolas, bares, restaurantes e menor fluxo em feiras) fizeram com que os preços ficassem estáveis ou reduzissem. Dentre os mercados atacadistas que apresentaram diminuições nos preços dessa fruta, estão a Central mineira (16,60%) e a de Goiânia (7,05%).

MERCADO ‒ O volume de exportação de frutas acumulado no país, até abril, foi 4,61% menor em relação ao mesmo período de 2019, e o valor comercializado em dólares diminuiu 13,44%, o que pode ser uma sinalização dos efeitos da pandemia do novo coronavírus (COVID-19) no mundo. Destaque para o crescimento, mesmo nesse cenário, do volume das exportações de maçãs, limões e limas, banana e abacate. O melão, principal fruta brasileira exportada, continuou a apresentar queda nas remessas ao exterior.

Confira aqui a edição completa do Boletim Hortigranjeiro Maio 2020, disponível na página do Prohort, no portal da Conab.

Fonte: Conab

Últimas notícias

Prêmio Excelência de Qualidade Realcafé Reserva anuncia os finalistas

O Prêmio Excelência de Qualidade Realcafé Reserva já tem os 20 finalistas da ...

Agrishow anuncia alteração da data de realização na edição 2021

A Agrishow anunciou a alteração da data de sua 27ª edição para os ...

Sócio da Cooabriel conquista primeiro lugar no concurso Coffee Of The Year 2020

No dia 20 de novembro, foi divulgado pela Semana Internacional do Café, os ...

ExpoSul RaízES começa nesta quarta (02)

O Parque de Exposições de Cachoeiro reabre os portões para receber uma edição ...

Seca no Brasil tende a pressionar preços de café arábica

Tradings de café começam a ter ideia da extensão dos problemas climáticos no ...