Veja os municípios capixabas contemplados com regularização fundiária

Com o objetivo de promover a regularização fundiária no Espírito Santo, o Governo do Estado, por meio do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), vai entregar 134 títulos de legitimação de terras devolutas. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (27) pelo governador Renato Casagrande e pelo diretor-presidente do Instituto, Mário Louzada. Dentre os municípios contemplados estão Barra de São Francisco, São Mateus, Mantenópolis, Nova Venécia, Ecoporanga, entre outros.

Casagrande destacou a importância da medida para garantir maior segurança jurídica sobre o domínio do imóvel, além da garantia do acesso às políticas públicas. Segundo ele, a meta é a entrega de até 400 títulos de regularização fundiária no Estado por ano. “Com o título, os proprietários passam a ter documentado seu patrimônio, tendo garantias para empréstimo e investimento em suas propriedades. Para ter o direito a regularização fundiária, basta ter a terra por no mínimo cinco anos e que seja usada para a agricultura”, explicou o governador.

De acordo com Mário Louzada, o Idaf superou em 2019 a meta estabelecida para o ano. “Apesar do momento difícil de pandemia que estamos enfrentando em todo o País, esperamos atingir os números previstos para 2020 também, que são de 400 títulos. Sabemos da importância desse documento para as famílias e temos nos esforçado para manter os serviços ativos, com todos os cuidados necessários, cumprindo o nosso compromisso com o cidadão capixaba”, disse o diretor-presidente.

A regularização fundiária dos imóveis devolutos no Espírito Santo é uma política social de Estado e está incluída nos projetos especiais da Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), que prevê a entrega de 1.200 títulos aos ocupantes de terras devolutas rurais até o final de 2022.

No Espírito Santo não há terra devoluta desocupada. O trabalho do Idaf consiste em mapear sua localização, identificar e regularizar o posseiro. A maior parte das áreas devolutas está concentrada nas regiões norte e noroeste do Estado.

São terras públicas que não foram registradas e nem estão sob posse do poder público, estando, em sua maioria, ocupadas desde a época da colonização. O fato de não haver o registro no nome do ocupante não caracteriza que elas sejam devolutas, devendo o poder público comprovar a existência e propriedade das mesmas.

Fonte: Idaf

Últimas notícias

Preço do leite ao produtor sobe, mas custos de produção reduzem margens

O preço do leite recebido pelo produtor manteve a tendência de alta no ...

Estimativa de safra de café é reduzida pela Conab e próxima colheita preocupa

Foto: Julio Huber O país deverá produzir aproximadamente 46,9 milhões de sacas de ...

Deflagrada nova edição da Operação Mata Atlântica em Pé

Teve início ontem (20), a Operação Mata Atlântica em Pé, iniciativa voltada ao ...

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...