Verão 2021 com La Niña fake e surpresa com águas de março

O início astronômico do verão será no dia 21 de dezembro, às 7h02, pelo horário de Brasília. O verão de 2020/2021 terá a presença do fenômeno La Niña, porém, o padrão de temperatura do oceano Atlântico vai fazer com que a chuva sobre o Brasil não obedeça aos padrões clássicos de um La Niña. Será como se ter uma La Niña “fake”. 

O fenômeno La Niña, que é a situação em que a água da parte central do oceano Pacífico Equatorial fica com temperatura abaixo do normal, foi considerado forte em novembro de 2020. A tendência é de enfraquecimento (isto é, temperatura da água no Pacifico Equatorial Central menos fria) até o fim de dezembro de 2020. Durante o verão 2020/2021, “será como termos uma La Niña “fake”, diz Filipe Pungirum, um dos analistas de Clima da Climatempo.

O verão de 2020/2021 será influenciado por um La Niña moderado a fraco. Em uma situação clássica, La Niña facilita a formação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), o que garante muita chuva para porções das Regiões Sudeste, Centro-Oeste e Norte do Brasil. Dependendo do posicionamento de seu eixo central, Bahia e Tocantins também são beneficiados pela chuva da ZCAS. 

Ainda considerando uma influência normal de La Niña, o Sul do Brasil tem pouca chuva. 

OUTROS FATORES – A ZCAS é um dos principais sistemas meteorológicos que provocam chuva abundante no verão sobre o Brasil. Outro sistema típico do verão é a ZCIT- a Zona de Convergência Intertropical – que traz a chuva volumosa para parte do Norte e principalmente para o norte do Nordeste do Brasil.

O bom desempenho da ZCAS e da ZCIT depende também da temperatura do oceano Atlântico Sul e do Atlântico Norte. O ano de 2020 está sendo de recorde de tempestades nomeadas na bacia do Atlântico Norte porque a temperatura da água do mar está muito acima do normal. 

Filipe Pungirum comenta que “durante quase todo o verão 2020/2021, o calor excessivo da porção norte do Atlântico Norte vai fazer com que a ZCIT se posicione, em média, ao  norte de sua posição média normal. Isto vai desfavorecer a chuva no verão na porção norte das Regiões Norte e Nordeste do Brasil.”

Enquanto isso, com as águas do oceano Atlântico Sul com temperatura abaixo do normal, as frentes frias tenderão a passar rapidamente pelo Sul do Brasil, fazendo com que as áreas de instabilidade sejam pouco persistentes sobre a Região Sul. É o ar seco de origem polar que deve passar mais tempo sobre a Região Sul neste verão, reduzindo a nebulosidade e as condições para chuva.

Outro efeito da temperatura abaixo do normal do Atlântico Sul será na organização da ZCAS. Esta configuração vai dificultar a formação do fenômeno, o que será uma grande diferença em relação ao verão 2019/2020, quando tivemos vários eventos de ZCAS e de outras convergências de umidade que resultaram em muita chuva em grande parte do Sudeste e do Centro-Oeste.

Patricia Madeira, analista de clima da Climatempo, pondera que “no verão 2020/2021, devemos ter algumas convergências de umidade, alguns corredores de umidade do Norte para o Sudeste sobre o Brasil, mas não necessariamente ZCAS. A ZCAS mesmo será pouco provável neste verão. Vamos ter chuva, mas a maior parte das pancadas vai ter caráter isolado e passageiro.” A especialista revela que “as águas de março vão surpreender no fim do verão 2021.

Fonte: Climatempo

Últimas notícias

Definidas condições para liberação de linha de crédito para cafeicultores atingidos por geadas

O Voto será submetido ao Conselho Monetário Nacional, para em seguida disponibilizar essa ...

Congresso das Mulheres do Agronegócio terá debate sobre “Bioeconomia” e a relação entre o progresso econômico e o meio-ambiente

Mesa-redonda reunirá representantes de diferentes elos da cadeia produtiva para discutir os melhores ...

Exportações do agronegócio batem recorde para setembro, com US$ 10,1 bilhões

O complexo soja e as carnes foram destaques nas exportações do mês, registrando ...

Lançadas as primeiras variedades de batata coloridas do Brasil

Chegam ao mercado nacional as primeiras variedades de batata coloridas desenvolvidas no Brasil ...

Cooperativa lança plataforma com o maior acervo digital do agro

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) coloca no ar hoje (15), a maior ...