“Visão Além do Alcance” promete revolucionar a safra 2021/2022 de soja, algodão, cana-de-açúcar e milho

O Visão xarvio™ – Visão Além do Alcance – um produto da agricultura digital da BASF promete um manejo mais eficiente e sustentável para produtores de soja, algodão, cana-de-açúcar e milho na safra 2021/2022. O grande diferencial da plataforma de conteúdo é que o algoritmo de inteligência agronômica utilizado no Mapeamento Digital de Plantas Daninhas agora está disponível para pós-emergência. Para a cultura do algodão, o dispositivo já está disponível. Em setembro, será a vez de a cana-de-açúcar ser beneficiada. Por fim, em janeiro de 2022, a plataforma deve estar pronta para ajudar os agricultores na segunda safra de milho.

Os agricultores terão acesso às ferramentas compartilhadas em pacotes comerciais – BASIC, PRO e PREMIUM – para atender às necessidades específicas de cada um, do plantio à colheita.

“As soluções digitais auxiliam na tomada da decisão certa, no momento mais adequado para cada cultivo. São serviços que vêm para facilitar e otimizar o trabalho do agricultor, podendo aumentar a rentabilidade por talhão e apoiar ainda mais nas práticas sustentáveis”, comenta Almir Araújo, diretor de Digital, Novos Modelos de Negócios e Excelência Comercial para América Latina da BASF Agro.

“O resultado da primeira safra de operação comercial do xarvio™ FIELD MANAGER consolida a solução Mapeamento Digital de Plantas Daninhas como uma das principais aliadas para o manejo mais eficiente e sustentável das lavouras. Nas áreas mapeadas, a otimização de insumos foi em média de 62% e a economia de água foi de 36 mil litros a cada mil hectares”, destaca Araújo.

COTONICULTURA DE REFERÊNCIA – Com a extensão da inteligência agronômica do Mapeamento Digital de Plantas Daninhas, os produtores de algodão poderão utilizar a ferramenta na pós-emergência da cultura “O algodão exige do cotonicultor um grau de especificidade diferente. Conseguir controlar as plantas daninhas na pós-emergência é uma necessidade real, principalmente pela sensibilidade da cultura. Recebemos essa demanda dos nossos clientes e trabalhamos para chegar no modelo ideal”, explica Lucas Marcolin, gerente Comercial de Produtos Digitais da BASF Agro.

Atualmente, as principais plantas daninhas da cultura do algodão são a buva, a corda de viola, o capim amargoso, o caruru e o leiteiro. “Algumas espécies podem interferir diretamente na qualidade da fibra do algodão, como é o caso do picão preto, do capim carrapicho e do carrapicho de carneiro. Caso as invasoras não sejam controladas, o agricultor terá um prejuízo gigantesco, pois as sementes dessas plantas apresentam estruturas que aderem à fibra, reduzindo a qualidade do produto e, consequentemente, seu valor de mercado“, pondera o gerente da BASF.

Fonte: BASF

Últimas notícias

Valor da contribuição mensal do MEI vai aumentar em fevereiro

Os microempreendedores individuais devem ficar atentos ao reajuste na contribuição mensal, que passa ...

Impacto ambiental urbano pode ser maior que do agro

O Brasil teve um ano de destaque no direito ambiental e terá que ...

Produção de café deve atingir 55,7 milhões de sacas na safra de 2022

Os produtores de café deverão colher a terceira maior safra do grão neste ...

Produtores celebram colheita e resultados da primeira safra de Uvas em Guarapari

Sandra Butke, em suas parreiras no início da produção. Para diversos produtores rurais ...

Ceasa-ES orienta produtores sobre armazenamento adequado de alimentos

A ação, que teve início na última quinta-feira (13) e tem previsão de ...