Incaper lança sistema eletrônico de avaliação de sustentabilidade da cafeicultura

Foto: Divulgação Incaper

A sustentabilidade na cafeicultura é um dos ideais que norteiam o trabalho do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper). Como um incremento às ações desenvolvidas ao longo dos 65 anos completados em 2021, o Incaper lançou o “Sistema para Avaliação de Indicadores de Sustentabilidade da Cafeicultura do Espírito Santo”. A ferramenta é um instrumento que facilita a medição do nível de sustentabilidade das propriedades cafeicultoras e é disponibilizada no site do Instituto para todo o público.

Continua após o anúncio

O sistema consiste em uma planilha com 36 dados de avaliação sobre solo, água, insumos agrícolas, entre outros. Também foi publicada uma cartilha que apresenta informações diversas sobre a ferramenta eletrônica e traz orientações sobre o uso. Os dados abrangem os eixos econômico, ambiental e social, baseados nos critérios de sustentabilidade utilizados e apresentados pela Plataforma Global do Café. O lançamento da planilha aconteceu na última quinta-feira (16), durante a cerimônia de premiação do 2º Prêmio Cafés Especiais do Espírito Santo, em Linhares.

O técnico do Incaper e idealizador do sistema, Marx Martinuzzo, destacou que a ferramenta é um importante instrumento para que os técnicos, extensionistas e pesquisadores de todo o Estado possam elaborar o planejamento de ações conforme as necessidades da propriedade, com base na análise dos dados da planilha, a fim de alcançar uma produção de café sustentável.

“Com a visita à propriedade, o técnico verifica os locais de avaliação, seja a lavoura, os carreadores, a tulha, galpão, cômodos onde se guarda as ferramentas e defensivos agrícolas, adubos e até a verificação de documentação da propriedade. Com o agricultor e sua família, o técnico vai acompanhar toda a rotina de trabalho. Depois, eles vão sentar e avaliar o nível de sustentabilidade da produção, mediante o sistema da planilha eletrônica. O técnico também pode imprimir e fazer as anotações e marcações em folha sobre todos os aspectos de avaliação da propriedade”, explicou Martinuzzo.

A planilha eletrônica efetua todos os cálculos e emite um relatório com gráficos que facilita o agricultor a visualizar o nível de adequação da propriedade. A partir da avaliação dos indicadores presentes na planilha, é possível planejar as ações para que a produção de café alcance a sustentabilidade, de modo participativo. O técnico e o agricultor podem criar um cronograma de ações com propostas e soluções possíveis para melhorar os índices de sustentabilidade.

“A partir da análise das informações, é possível planejar dias de campo para reunir produtores e disseminar conhecimento sobre determinada temática que o sistema indica, como carência de alguma localidade. O agricultor, em contrapartida, vai receber uma assistência técnica mais profissional. Como um mapa, um caminho a percorrer, a planilha vai indicar um roteiro para o técnico seguir e atingir os objetivos. O sistema tem como principal benefício o planejamento, que traz consigo a melhoria da qualidade e da produtividade, além de competitividade, agregação de valor do café, preservação ambiental e marketing da produção familiar e no município”, destacou o técnico.

Competitividade do cafeicultor no mercado

O incentivo à produção de café de qualidade é outro grande propósito do sistema de avaliação de sustentabilidade. De acordo com o técnico, um dos objetivos da iniciativa é tornar o cafeicultor mais profissional e competitivo no mercado. “É um incentivo à busca de informação e qualificação”, disse Martinuzzo.

Um dos dados que constam na planilha é o valor da venda da saca de café. O sistema faz um cálculo por saca vendida, o que possibilita avaliar o nível de eficiência da comercialização. “Se o cafeicultor agrega valor na produção dele, esse é um item importante porque é um reflexo da sustentabilidade. A gente avalia quantos por cento da produção deles são de café superiores, de qualidade, que atendem às exigências. Assim o produtor consegue conquistar novos mercados”, ressaltou técnico do Incaper.

“O sistema também impacta na questão da segurança do serviço e do trabalho no campo, porque conta com itens que avaliam, por exemplo, quantos colaboradores são qualificados para trabalhar com roçadeira, motosserra, trator e isso pode diminuir muito os acidentes de trabalho na propriedade, melhorando a questão da segurança do trabalho”, completou.

O sistema começou a ser desenvolvido em 2015, a partir de uma demanda do Incaper por uma ferramenta capaz de medir os impactos econômicos, sociais e ambientais na propriedade. Para a construção da planilha, foram reunidas informações usadas em concursos de qualidade de café e critérios certificadores da Plataforma Global do Café.

Conforme salienta o criador da planilha, o sistema não se trata de uma ferramenta certificadora, mas sim avaliadora. “Ela contribui muito para que os agricultores adéquem suas atividades e capacitem para atingir melhores condições de economia e proteção ambiental, melhorando assim o bem-estar social dentro da propriedade e da comunidade no entorno”, acrescentou Martinuzzo.

Texto: Andreia Ferreira/Incaper

Últimas notícias

Confirmada: 11ª Feira de Negócios Coocafé será presencial

Um dos principais eventos realizados para o cooperado Coocafé é a Feira de ...

Alunos aprendem, na prática, como vacinar o rebanho

Mais uma ação do projeto “Vai pra Roça” foi realizada em São Gabriel ...

Conab lança modalidade de leilão para abastecer pecuaristas

Uma novidade foi lançada pela Companhia Nacional de Abastecimento  (Conab) para os pecuaristas ...

Alysson Paolinelli, indicado ao Nobel da Paz, participará da Feira de Agronegócios da Cooabriel

Indicado ao prêmio Nobel da Paz em 2021, o ex-ministro e professor Alysson ...

Prazo para vacinar animais de 0 a 2 anos contra febre aftosa está acabando

A vacinação de bovinos e bubalinos acontece até o dia 31 de maio ...