Ações para o desenvolvimento sustentável da cobertura florestal marcam o Dia Internacional das Florestas

Bioeconomia da floresta e informações florestais são algumas das atividades do SFB para conservar e restaurar as florestas brasileiras

“Restauração florestal: um caminho para a recuperação e o bem-estar”. Esse é o tema escolhido pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o Dia Internacional das Florestas, comemorado neste domingo (21). As ações do Serviço Florestal Brasileiro (SFB) para o desenvolvimento econômico e sustentável da cobertura florestal brasileira visam fortalecer as cadeias da bieconomia da floresta, de reflorestamento, além das concessões florestais, da produção de informações florestais e do fomento florestal.

O diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Valdir Colatto, entende que o fomento de produtos florestais madeireiros e não madeireiros, oriundos do manejo sustentável, é o caminho para a conservação da cobertura florestal brasileira.

“Possuímos a segunda maior área de florestas do mundo, a produção florestal não madeireira representa cerca de 35% do montante do extrativismo florestal.  Nos últimos 10 anos, a produção florestal não madeireira vem aumentando a cada ano e os ingressos totalizam mais de R$ 10 bilhões, distribuídos nas diversas regiões brasileiras. Em relação ao manejo de produtos madeireiros, o programa de concessão florestal arrecadou, em 2020, cerca de R$ 28 milhões. Esse valor representa o melhor resultado até desde o início da atividade”, afirmou Colatto.

FLORESTAS PLANTADAS – O Brasil não só detém uma das maiores áreas de florestas naturais do planeta como também é referência internacional em termos de desenvolvimento de florestas plantadas. Além da sua importância econômica, pois representa mais de 90% da fonte de matéria prima para o abastecimento industrial, possui também grande relevância do ponto de vista ambiental. As florestas plantadas são uma das estratégias mais relevantes para combater os efeitos negativos das mudanças climáticas.

Para o diretor de Pesquisa e Informações Florestais do SFB, Humberto Mesquita, o Brasil vem buscando incentivar os reflorestamentos, ampliando sua base de produção e diversificando sua base produtiva, considerando as oportunidades que o país apresenta para negócios florestais”.

“Os reflorestamentos são iniciativas relevantes também na estratégia de recuperação de áreas degradadas e de passivos ambientais como oportunidade de atrelar ações de recuperação com geração de renda no campo”, afirmou Humberto Mesquita.

BIOECONOMIA – A produção florestal não madeireira extraída de florestas naturais ganha destaque devido à importância para as comunidades locais tanto pela segurança alimentar dessas famílias tanto pela comercialização dos produtos. No Brasil, essa produção extraída das florestas arrecada cerca de R$ 1,6 bilhão por ano.

A Amazônia ocupa 420 milhões de hectares, 49,3% do território brasileiro, e apresenta uma cobertura florestal estimada em 320 milhões de hectares. Conforme os dados do IBGE, os principais produtos não madeireiros extraídos das florestas naturais do bioma Amazônia são: o fruto do açaí, a castanha da Amazônia e a amêndoa de babaçu. De acordo com a Embrapa, em 2019, a produção de castanha foi de 32 mil toneladas, que geraram uma arrecadação de R$135 milhões. Em relação ao açaí, foram produzidas 222 mil toneladas, que arrecadaram R$ 588 milhões. Os valores mostram a importância de fomentar a bioeconomia da floresta, que gera renda para os extrativistas e conserva a biodiversidade brasileira.

INFORMAÇÕES FLORESTAIS – O SFB é uma das instituições responsáveis pela produção de informações sobre os recursos florestais brasileiros. Um dos instrumentos é o Inventário Florestal Nacional (IFN). Em 2020, a apresentação dos resultados parciais do IFN, em nível nacional, foi finalizada. Até o momento, o SFB já coletou dados em 25 estados e no Distrito Federal, totalizando uma área inventariada de cerca de 428,7 milhões de hectares (50,3% do território nacional).  Além das 18 Unidades da Federação com coletas concluídas, outros 8 estados tiveram as coletas realizadas em parte de seus territórios: Amazonas, Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Piauí e São Paulo. Os dados apresentados nos relatórios são importantes ferramentas de construção de políticas públicas.

O SFB ainda articulou, em 2020, ações de fomento para a ampliação da cobertura vegetal nativa. O trabalho foi feito em conjunto com o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal (FNDF), o Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FNMC), o Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (CFDD) do Ministério da Justiça, a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal (FSA/CEF). As ações desenvolvidas visam a promoção da recuperação florestal em áreas de preservação permanente localizadas em bacias hidrográficas, cujos mananciais de superfície contribuem, direta ou indiretamente, para o abastecimento de regiões metropolitanas com alto índice de criticidade hídrica.

REFLORESTAMENTO – O SFB coordena técnica e executivamente o Centro de Desenvolvimento Florestal (CDFS), Programa Arboretum, que trabalha com a produção de sementes e mudas de qualidade e com alta representatividade da diversidade florestal nativa. Além disso, associa essa produção à promoção do conhecimento técnico-científico aplicado, o que possibilita a geração de renda nas comunidades rurais envolvidas na produção florestal.

O Arboretum produziu mais de 1,5 milhão de mudas para recomposição florestal em mais de mil hectares de Mata Atlântica. Atualmente, o CDFS apresenta a maior dinâmica no Brasil em termos de geração de dados, manejo e silvicultura da biodiversidade florestal. São 551 espécies manejadas, uma média de 200 espécies florestais nativas dão entrada anualmente no Laboratório de Sementes Florestais e o viveiro produz, simultaneamente, mais de 300 espécies florestais.

O CDFS atua numa estratégia que otimiza os processos da cadeia de recomposição florestal, agrega, na produção, a geração de informações sobre a silvicultura e o manejo de espécies nativas e contribui para a geração de renda e valorização da floresta. O Centro fornece também assistência técnica florestal e logística para que comunidades rurais entre o sul da Bahia e o norte do Espírito Santo produzam sementes e mudas florestais.

O Programa Arboretum será o modelo que subsidiará o Programa Caixa Refloresta. O Refloresta visa a execução de projetos de coleta de sementes, de produção de mudas e de plantio de 10 milhões árvores nos seis biomas brasileiros.

Fonte: Mapa

Últimas notícias

Nova instrução normativa de bem-estar animal nas granjas brasileiras é tema de evento on-line

A nova instrução normativa (IN 113/2020) que visa as adequações de manejo e ...

Líbia prepara primeira exposição focada em cafés

Evento reunirá produtores, vendedores, representantes de marcas nacionais e regionais, além dos amantes ...

Jerônimo Monteiro realiza primeira Mostra de Café Especial

O município de Jerônimo Monteiro vai realizar a 1ª Mostra de Café Especial. ...

Tradição familiar no agronegócio em evidência na Praça do Papa

A tradição familiar marca o agronegócio capixaba, que, segundo dados do Governo do ...

Ação de fiscalização do Mapa apreende 173 mil litros de bebidas com indícios de fraude

Uma ação de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) resultou ...