Cacto sem espinho é aposta de brasileiro para exportação

Espécie brasileira, o mandacaru sem espinhos da marca NaturAYO surpreendeu compradores dos Estados Unidos e Europa. O próximo passo dos produtores cearenses é levar a planta para Dubai

Um cacto sem espinho selecionado pela empresa Naturayo é a aposta da marca para crescer no mercado exterior. A empresa produz plantas como a popularmente chamada ‘espada de São Jorge’ e cactos, principalmente espécies nativas, como o mandacaru. “Conseguimos fazer em larga escala o mandacaru sem espinhos, que tem sido nosso grande trunfo nesse último ano. Ele não existe no mercado internacional e conseguimos abrir já os mercados tanto americano quanto europeu”, contou Thomas Reeves, à frente da Naturayo.

Os primeiros embarques foram feitos neste ano e os mandacarus já começaram a chegar em seus destinos neste mês. “Estava previsto para o ano passado, mas com a pandemia ficou mais difícil em termos de logística e até comercialmente para iniciarmos um projeto deste. Mas conseguimos estabelecer e fazer os primeiros embarques agora. Estamos muito animados com esse produto”, destacou Reeves.

A marca já fazia exportação de plantas há mais de 15 anos. Nos últimos anos, no entanto, a disputa pela comercialização no exterior estava mais acirrada com a concorrência de países como a Tailândia. A ideia da marca cearense é aproveitar o novo produto para retomar os volumes nos países onde já tem entrada, além de abrir novos mercados. “Estamos agora melhorando e abrindo novos mercados. Até busquei exportador [entre os árabes], mas não consegui ainda. Já estávamos em contato com uma pessoa de Dubai, mas por conta das questões do ano passado, acabamos não fechando ainda. É um mercado que muito nos interessa”, afirmou o produtor.

Os primeiros contatos da Naturayo com executivos de Dubai foram feitos através na IPM, feira internacional de plantas da Alemanha. “Está nos nossos planos conhecer a feira de plantas que acontece em Dubai também”, explicou o produtor.

CACTO SEM ESPINHO – O mandacaru sem espinhos foi identificado pelos produtores na própria natureza e a partir daí selecionado para a reprodução em larga escala. ““Não sabemos como houve essa mudança para os cactos nascerem sem espinho, mas identificamos e vimos um grande potencial, porque se tem muitas compras de plantas para dentro de casa hoje. E não ter espinhos é um fator comercial e atrativo muito interessante para quem tem filhos, por exemplo, e esteticamente é muito bonito”, explicou Reeves.

Apesar de produzir no Ceará, a Naturayo é associada da Veiling, cooperativa de plantas e flores que fica na cidade de Holambra, interior de São Paulo, e reúne 400 fornecedores brasileiros. A Veiling atua como plataforma para ligar os produtores a compradores de grandes redes, de forma física e online, espaços onde a marca começou a expor o mandacaru sem espinhos.

Em 2018, os produtores começaram a trabalhar a comunicação do novo produto e expor em mais locais. “Levamos nessa feira [IPM] sem muita pretensão ainda. Aí as pessoas ficaram muito empolgadas com o produto e vieram para cá, nos visitar, quando ainda estávamos desenvolvendo. Entendemos que o produto era muito importante”, lembra o produtor que vê, agora, as comercializações darem frutos.

Fonte: Agência de Notícias Brasil-Árabe

Últimas notícias

Cooperativas capixabas podem usar Funsaf para modernização da produção agrícola

A economia colaborativa é realidade no Espírito Santo há anos. No mundo agropecuário, ...

Recuperação de nascentes beneficia comunidade rural

Uma parceria firmada entre Emater-MG, prefeitura, Copasa e produtores rurais permitiu a criação ...

Faculdade CNA está com inscrições abertas para o vestibular

A Faculdade CNA está com inscrições abertas até o dia 23 de fevereiro ...

Inscrições para coordenação de pesquisa sobre peixes começam na segunda-feira (24)

As inscrições para a seleção de coordenador de projeto de pesquisa do Instituto ...

Venda Nova do Imigrante é destaque em projeto de qualificação do turismo rural

A rota de Agroturismo em Venda Nova do Imigrante foi validado pelo Ministério ...