CNC apoia indicação de Paolinelli ao Nobel da Paz

Ex-ministro da Agricultura foi responsável pela revolução da agricultura tropical, fazendo do Brasil celeiro alimentar mundial

O Conselho Nacional do Café (CNC) formalizou seu apoio à indicação do ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli ao Prêmio Nobel da Paz de 2021. A entidade se junta a outras instituições do agro, universidades e profissionais do Brasil e de outros países que, até o próximo dia 31, oficializarão a candidatura junto ao Comitê do laurel, na Noruega, entregando o dossiê com os serviços prestados por ele para a revolução da agricultura tropical.

O presidente do CNC, Silas Brasileiro, ressaltou que Paolinelli tem uma notável trajetória, com experiências que o distinguem como um dos expoentes da agricultura nacional, sendo considerado um dos grandes responsáveis pela maior revolução tropical agrícola da história. Em 2006, por exemplo, foi laureado com o World Food Prize, prêmio internacional que condecora personalidades que contribuíram para o avanço do desenvolvimento humano ao aprimorar qualidade, quantidade e disponibilidade de alimentos no mundo.

“Seu competente trabalho e o compromisso com o agronegócio nacional o tornaram referência no mundo. A consolidação e a expansão da nossa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Embrapa, sob sua gestão na Agricultura, foram fundamentais para que o Brasil fizesse a transição de importador para um dos maiores produtores e exportadores de alimentos sustentáveis do mundo”, disse.

REVOLUÇÃO NO CERRADO – Na década de 70, com Paolinelli no comando da Pasta da Agricultura (de 1974 a 1979) durante o governo de Ernesto Geisel, o Brasil incentivou investimentos em pesquisa e tecnologia no campo, fazendo do cerrado, até então considerado impróprio ao cultivo, a região com maior produção de grãos em larga escala, o que permitiu que o país fosse considerado, posteriormente, celeiro mundial e passasse a subsidiar a alimentação em todo o globo.

“Consideramos a segurança alimentar um importante instrumento para a pacificação nos continentes, mitigando o fato de a fome ser motivo de conflitos e guerra entre nações. Essa nobre razão é um dos muitos motivos pelos quais o CNC manifesta seu apoio à indicação do ministro Paolinelli, um líder que dedicou sua capacidade e sua vida à evolução na produção do que é mais nobre, o alimento para seu país e para o mundo”, enalteceu Brasileiro.

O movimento pela indicação conta com mais de 100 cartas de apoio de universidades e instituições de 10 países e é liderado pelo também ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, atualmente coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas (FGV Agro). O nomeador oficial será o diretor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), Durval Dourado Neto.

PROSPERIDADE E BEM-ESTAR PARA O CAFÉ – Em linha com os ideais sempre defendidos pelo ex-ministro Alysson Paolinelli, a cafeicultura mundial conta com um Grupo de Trabalho Técnico sobre Renda de Bem-Estar e Próspera, que é uma das instâncias da Força-Tarefa Público-Privada do Café (FTPPC) da Organização Internacional do Café (OIC) e tem o CNC como um de seus membros.

Trata-se de um ambiente público-privado que reúne representantes dos governos dos países produtores e consumidores de café, torrefadoras multinacionais, traders, associações de produtores, ONGs e agências internacionais de desenvolvimento, como o Banco Mundial.

O GT é resultado da implementação da Resolução 465 da OIC – da qual o CNC participou ativamente da redação –, que trata do nível dos preços internacionais do café e tem como objetivo apontar novas formas de enfrentamento das crises de preços, com foco na promoção da sustentabilidade, no equilíbrio entre a oferta e a demanda, promoção do consumo nos países produtores, mais transparência de mercado, visando sempre a melhoria da renda dos cafeicultores de todos os países.

OBJETIVOS DA FORÇA-TAREFA DA OIC – A principal meta da FTPPC da Organização é alcançar a melhoria da renda das regiões cafeeiras do planeta, por meio do engajamento de atores dos setores público e privado. Para tanto, ela se estrutura em sete grupos de trabalho, que apresentarão estudos e propostas sobre:

  • Transparência de mercado;
  • Produção e fornecimento sustentáveis;
  • Políticas de mercado;
  • Mecanismos de financiamento global;
  • Promoção do consumo;
  • Renda próspera de bem-estar;
  • Coordenação setorial para promover a integração das ações em desenvolvimento nos outros seis grupos.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Definidas condições para liberação de linha de crédito para cafeicultores atingidos por geadas

O Voto será submetido ao Conselho Monetário Nacional, para em seguida disponibilizar essa ...

Congresso das Mulheres do Agronegócio terá debate sobre “Bioeconomia” e a relação entre o progresso econômico e o meio-ambiente

Mesa-redonda reunirá representantes de diferentes elos da cadeia produtiva para discutir os melhores ...

Exportações do agronegócio batem recorde para setembro, com US$ 10,1 bilhões

O complexo soja e as carnes foram destaques nas exportações do mês, registrando ...

Lançadas as primeiras variedades de batata coloridas do Brasil

Chegam ao mercado nacional as primeiras variedades de batata coloridas desenvolvidas no Brasil ...

Cooperativa lança plataforma com o maior acervo digital do agro

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) coloca no ar hoje (15), a maior ...