Família cultiva horta e lança delivery de verduras sem agrotóxicos

Clóvis Rangel

Imagine cultivar uma horta orgânica no quintal, colher mais de 20 tipos de verduras sem o uso de agrotóxicos e ainda vender para os vizinhos pela internet? É o que tem feito a família Roversi, no bairro Cachoerinha, em Alfredo Chaves, município da região Sul-Serrana do Espírito Santo.

A nutricionista Fabiana Roversi, de 34 anos, foi quem levou a ideia para dentro de casa na intenção de aumentar a renda familiar durante a crise causada pela pandemia no novo coronavírus. A família só usa esterco de caprinos criados na propriedade, de acordo com Fabiana.  

“Só usamos adubo de carneiro que papai cria aqui em casa mesmo e o de gado, que compramos fora. Convidei uma grande amiga da gente, a tia Cida, porque ela sempre nos incentivou e também precisava engordar o orçamento. E a gente também, né? Ela morava no interior, mas sempre usou agrotóxico. Além disso, eu sempre quis investir nesse mercado. Por aqui na região não tem nada de orgânico e o que tem é muito caro. E mais do que nunca precisamos manter a imunidade alta e as verduras repletas de venenos fazem o efeito contrário disso”, diz.

Responsável pela publicidade dos produtos, a nutricionista enfatiza ainda que as entregas são feitas diariamente com o auxílio das redes sociais, uma vez que a feira da cidade está interditada para contribuir com a redução da proliferação da Covid-19 no município. 

“Posto as fotos no meu Facebook e Instagram e deixo nossos números de telefone. Daí os vizinhos fazem as encomendam pelo WhatsApp e nós entregamos. Sempre de máscaras, álcool em gel e mantendo o distanciamento”, alerta.

Todos os detalhes técnicos da plantação foram projetados e são mantidos pelo pai da Fabiana, Jomar Luiz Roversi, 61, técnico agrícola aposentado do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

“A parte de irrigação foi eu que fiz e ainda plantei diversas plantas aqui para combater as pragas. A horta começou a ter vida no final de abril deste ano e já produziu couve, couve-flor; pimentão, couve-chinesa; repolho, pepino; quiabo, brócolis; beterraba, alho-poró; rúcula, espinafre; almeirão, alface; salsa, cebolinha verde e coentro. Temos plantados o agrião e o brócolis de cabeça, mas ainda não começaram a produzir. O cultivo é ecologicamente correto, sem uso de aditivos químicos. Nosso objetivo é conseguir o selo orgânico em breve”, salienta Jomar.

Já a limpeza dos canteiros, a escarificação do solo e os serviços capinas ficam por conta da Janete Roversi, a matriarca da família, 59, e da dona de casa Aparecida Simoura, 47, a tia Cida. Segundo elas, o amor pelo trabalho no campo é uma herança. “Aprendemos a plantar com nossos pais e até hoje não paramos. Amamos a roça. E toda semana temos o nosso dinheirinho”, divertem-se.

Quem aprova a ideia é o servidor público Darcy de Paula Gaigher, 30. Vizinho da horta, ele salienta a felicidade de ter um “disque-entrega” de verdura orgânica bem ao lado de onde mora.

“Delivery de hortaliça sem agrotóxico bem no meu bairro foi a melhor ideia. Tenho um filho de menos de um ano e minha esposa precisa consumir alimentos de qualidade. Compro toda semana”, afirma.

Últimas notícias

Coops já podem enviar projetos para o PAA

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) liberou o sistema para recebimento dos projetos ...

Selo Arte para produtos de abelhas e derivados terá início em outubro

Podem receber o Selo produtos artesanais de abelhas Apis mellifera e de abelhas ...

Você conhece a Doença de Haff? Mapa monitora casos no Brasil

Orientação é que consumidor adquira pescado com selo de inspeção oficial O Ministério ...

Fórum Café e Clima apresenta condições da produção diante dos impactos climáticos

Como os cafezais estão reagindo diante do comportamento do clima, marcado por seca, ...

Bolsonaro veta projeto sobre medidas emergenciais de amparo à agricultura familiar

Foto: Veja O presidente Jair Bolsonaro vetou um projeto de lei sobre medidas ...