Frente fria poderá afastar nuvem de gafanhotos do Brasil

Julio Huber

Uma frente fria que está prevista para chegar ao Sul do Brasil a partir da madrugada desta quinta-feira (25) poderá afastar a nuvem de gafanhotos da fronteira do país. Na tarde de hoje (24) já começou a chover em algumas cidades do Sul. De acordo com o pesquisador da Embrapa Clima Temperado, Dori Edson Nava, os insetos não gostam de frio, e o vento também deve levá-los para o Uruguai.

Em um vídeo feito por autoridades argentinas, é possível ver os gafanhotos pousados em uma vegetação!

“A informação mais recente é de que a nuvem de gafanhotos ainda está na província de Corrientes, na Argentina, e as autoridades locais estão fazendo um controle dos insetos. Além disso, o avanço da frente fria pode ser determinante para que os gafanhotos não entrem em território brasileiro”, acredita o pesquisador.

Especialistas explicam sobre os gafanhotos que avançam em direção ao Brasil

O secretário de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul, Covatti Filho, informou que durante o dia de hoje os municípios de fronteira do Brasil estavam sendo monitorados. “Estamos montando um plano de contingência e estamos analisando se já deixamos o Estado em alerta. Estamos vendo os melhores caminhos para utilizar recursos e ações para combater os gafanhotos, como o uso de defensivos agrícolas por meio de aviões agrícolas”, informou.

O pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen), Marcelo Lopes da Silva, que é presidente do Comitê Gestor do Portfólio de Sanidade Vegetal, informou que a região que corre mais risco da entrada dos insetos é a fronteira-oeste do Rio Grande do Sul, particularmente as regiões próximas aos municípios de São Borja e Uruguaiana.

Aviões podem ser usados para combater nuvem de gafanhotos no Brasil

“A última nuvem do gafanhoto migrador sul-americano que atingiu o Brasil foi em 1946 e ocasionou altos prejuízos naquela época, pois a área afetada no Brasil foi praticamente toda a região Sul. Geralmente, esses insetos preferem alimentar-se em gramíneas, culturas como milho, arroz, trigo, cana-de-açúcar e pastagens. Mas esses insetos podem atacar soja, feijão e algodão. Na ausência de culturas, a vegetação natural pode ser atacada. Na situação atual, as culturas de inverno no sul poderiam ser as mais afetadas”, informou o pesquisador.

Nuvem de gafanhotos devoradores pode chegar ao Brasil nos próximos dias

Ele reforçou que no momento, a melhor estratégia é monitorar a situação e estar preparado com um plano de supressão da praga em caso de necessidade. “É muito difícil impedir o avanço das nuvens, mas de acordo com a intensidade, as ações de controle podem ser eficazes. Temos a experiência da Argentina, que pode ser adaptada às condições brasileiras, pois ao contrário do país vizinhos, não há formação de nuvens no nosso território”, destacou.

O deslocamento da nuvem de gafanhotos pode ser acompanhado por meio de mapas atualizados pelas autoridades argentinas, basta clicar aqui!

Últimas notícias

Controle de plantas aquáticas será feito com tecnologia de última geração pela Itaipu

Fotos: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional A Itaipu Binacional vai modernizar o monitoramento do reservatório ...

Apreendidos 19 pássaros da fauna silvestre brasileira em Itapemirim

Foto: PMA Uma equipe de policiais da 4ª Companhia de Batalhão de Polícia ...

Apreendida carne ilegal que estava sendo vendida em Santa Maria de Jetibá

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (PPMA), em ação conjunta com a equipe ...

Conheça uma produção de café sustentável e tecnológica

A produção de café conilon do cafeicultor Gerson Camiletti, em Sooretama, foi aperfeiçoada ...

Agro brasileiro mostra-se inovador, tecnológico, produtivo e sustentável em Congresso de Marketing do Agro ABMRA

“Essa edição do Congresso ABMRA reuniu diversos elos da cadeia e conseguiu trazer ...