Fruta-do-conde, atemoia, cherimoia: quem é quem?

Será que é fruta-do-conde ou cherimoia? Ou será que é atemoia? Existem mais de duas mil espécies de frutas da família das Anonáceas, um grupo de frutíferas de importância econômica no Brasil e em diversas regiões do mundo. Composta principalmente por plantas tropicais, algumas das Anonáceas são nativas do Brasil e muitas delas são usadas na indústria farmacêutica e alimentar, na fruticultura comercial e em reflorestamentos. 

“As Anonáceas com importância como fruta já podem ser encontradas distribuídas em todo Brasil em plantios comerciais e fundo de quintal, sendo uma característica os gomos ou carpelos que formam a casca. Ainda carecem de estudos científicos dado ao potencial e importância na industrialização”, afirma José Antonio Alberto da Silva, pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). 

Segundo Silva, a atemoia é uma fruta classificada como climatérica, ou seja, continua o processo de amadurecimento e amolecimento da polpa após colhida. Os frutos são comercializados duros e normalmente entre dois e cinco dias em casa já estão macios e prontos para serem consumidos. Frutos com melhor qualidade são embalados individualmente com proteção evitando lesões e o escurecimento da casca. 

Para não mais se confundir na hora de comprar essas frutas deliciosas nas feiras e supermercados e para conhecer algumas outras plantas dessa família consumidas em outras regiões do Brasil e partes do mundo, o pesquisador da APTA conta algumas características de cada uma delas. Confira: 

  • Fruta-do-conde (Annona squamosa): Também chamada de pinha ou ata é uma das espécies mais conhecidas, cultivada comercialmente ou em fundo de quintal em todo o Brasil. Apreciada pelo sabor, apresenta muitas sementes com a polpa aderida. Essa característica restringe a exportação, pois os consumidores estrangeiros preferem consumir a polpa com colher sem as sementes. Existe também a fruta-do-conde de casca vermelha e até sem sementes, porém esta última apresenta frutos pequenos e muito moles quando maduros, dificultando a comercialização. 
  • Cherimola ou Cherimoia (Annona cherimola): é uma das Anonácea de clima temperado, com excelente qualidade e valor comercial, sendo cultivada nos Andes, Europa, Califórnia e regiões brasileiras de clima ameno. Possui sabor doce e sementes soltas da polpa. 
  • Atemoia: O resultado do cruzamento entre a fruta-do-conde e a cherimoia deu um casamento perfeito, originando a atemoia. Seu cultivo comercial vem crescendo, porém trata-se de uma cultura exigente em irrigação, adubação, podas e pós-colheita, sem esquecer que por ser resultante de um cruzamento, as mudas só devem ser produzidas por métodos vegetativos, ou seja, enxertia e estaquia por exemplo. Comparada com a fruta-do-conde, as frutas são maiores, mais doces e com menor número de sementes, que se soltam da polpa facilmente e, por estes motivos, tem crescente e garantido mercado no Brasil e exterior. Existem diversas variedades de atemoia no mercado, que se diferem quanto ao aspecto da casca, textura da polpa, sabor, doçura e época de produção. 
  • Fruta-da-condessa (Annona reticulata): Também conhecida como conde, é normalmente encontrada em fundo de quintal. Casca com coloração amarela avermelhada, fruta doce e saborosa, plantada comercialmente em pequena escala, pois a polpa tem textura arenosa. 
  • Graviola (Annona muricata): Comum na Venezuela, Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil. Os frutos chegam a pesar mais de oito quilos. A polpa congelada é comercializada no mercado interno e exportada, sendo o suco de excelente sabor. Tem bom potencial de plantio e mercado certo em São Paulo. Estudos discutem o efeito das folhas no tratamento do câncer. 
  • Falsa Graviola (Annona montana): conhecida como falsa gravioleira, confunde e difere da graviola por possuir frutos arredondados, lisos, casca e polpa amarelada, com aroma forte e visguento quando transformado em suco. Sem valor no mercado como fruta, mas importante para indústria como estabilizante natural, no melhoramento genético e como porta enxerto pelo porte baixo. 
  • Pindaíva (Duguetia lanceolata): Árvore nativa da Mata Atlântica, de crescimento lento, madeira de lei, utilizada em reflorestamento e paisagismo. Seus frutos tem carpelos vermelhos e atrativos, pouca polpa, mas, doces e comestível. 
  • Marolo (Annona coriacea): Anonácea nativa do cerrado brasileiro, produz frutos grandes e bastante perfumados,utilizados na culinária para fabricação de licores, doces e sucos. 
  • Araticum (Rollinia sp): Existem várias espécies de araticuns, distribuídos no Brasil. Os frutos não apresentam boas características comerciais, mas a maioria são doces e com potencial farmacêutico, utilizados no melhoramento genético e como porta-enxerto para outras Anonáceas comerciais. 
  • Ylang-Ylang (Cananga odorata): Árvore exuberante de origem asiática, fruto não comestível, floresce praticamente o ano todo, exalando um perfume bastante agradável, sendo um dos componentes do famoso perfume Channel nº 5. 

Fonte: Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios

Últimas notícias

Tratoraço reúne mais de dois mil veículos contra taxação do ICMS

Um tratoraço realizado na manhã de ontem (14), na Avenida Coronel Marcondes, em ...

Valor da Produção Agropecuária de 2020 é o maior da história

Foto: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil A carne bovina foi um ...

Conab vende mais de 140 mil toneladas de milho para pequenos criadores em 2020

A comercialização de milho dos estoques do governo federal pôde beneficiar mais de ...

Projeto faz reúso de água para produção de alimentos

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) ...

Idaf registra primeira agroindústria de 2021 em Ibitirama

Uma queijaria de Ibitirama foi o primeiro estabelecimento de 2021 registrado junto ao ...