Nutrição no período seco exige atenção especial para suprir as exigências das vacas leiteiras

A nutrição das vacas leiteiras em período seco exige atenção. “De 45 a 60 dias antes do parto, as vacas deixam de ser ordenhadas e são preparadas para a próxima lactação. Nesse período, ao mesmo tempo em que as glândulas mamárias descansam, os nutrientes – antes voltados para a produção de leite – são destinados à formação final dos bezerros”, explica Iago Melo, zootecnista da Auster Nutrição Animal. “É importante ter atenção à nutrição porque os animais passam por grandes mudanças fisiológicas e metabólicas em curto período de tempo”, complementa o especialista.

“Do ponto de vista nutricional, o período seco tem cerca de 60 dias e é dividido em duas fases: pós-secagem, quando as vacas recebem dieta de baixa energia e alta fibra, facilitando o manejo do processo de secagem; e os 21 dias que antecedem o parto, na qual os teores energético e proteico da dieta aumentam em comparação aos fornecidos durante a primeira fase”, afirma o zootecnista.

Iago Melo explica que, durante o período seco, as vacas têm necessidades nutricionais diferentes das fêmeas em lactação. Para evitar ou amenizar qualquer desbalanceamento, orienta-se a ingestão de 1,8% a 2,1% de matéria seca por peso vivo; 3% de extrato etéreo; 12% a 13% de proteína bruta; 10% a 16% de amido; e FDN (fibra em detergente neutro) inferior a 35%. Tais nutrientes visam melhorar a qualidade e a quantidade de colostro, maior produção de leite na lactação seguinte e recuperação de escore corporal da vaca antes do parto.

Para o zootecnista, o produtor deve se adequar às demandas nutricionais desse período, visto que o manejo inadequado pode gerar aumento de casos de balanço energético negativo no pós-parto, além de doenças metabólicas, como acidose, laminite, deslocamento de abomaso, retenção de placenta, metrite e febre do leite.

“Porém, o maior desafio ocorre no final do período seco. Nesse momento, a vaca passa por alterações hormonais e metabólicas decorrentes da proximidade do parto, ocasionadas pelo aumento na demanda de nutrientes, crescimento acelerado do feto, síntese de colostro pela glândula mamária, depressão da imunidade, mudanças de ambiente e a inevitável queda no consumo de alimentos”, alerta Iago Melo.

Durante o período seco e o pré-parto, é comum as vacas apresentarem redução de ingestão de matéria seca, fazendo-se necessária a tomada de medidas para que o consumo seja o menos afetado possível. Entre elas, Melo recomenda dieta com inclusão de fibras, aumentando o enchimento ruminal e alcançando o escore ideal; aumento da concentração da dieta em açúcares, amido, minerais e vitaminas; sombra; cuidado com a superlotação dos lotes; separação de novilhas de vacas, se possível; evitar grandes mudanças de ambiente; fácil acesso à água limpa e fresca; espaçamento de cocho no mínimo de 80cm por vaca; e ambiente limpo e seco.

Iago Melo ressalta, também, a importância do resfriamento dessas vacas durante o período seco, de maneira a ter efeito positivo no alívio do estresse térmico, visto que submetê-las apenas ao sombreamento pode não ser suficiente para impedir o estresse em altas temperaturas e alto teor de umidade. ”Vacas submetidas a esse estresse tendem a produzir cerca de 3,5kg-4,0kg à menos na lactação subsequente em relação a vacas que são resfriadas”, acrescenta o zootecnista.

Fonte: Sta Press | Grupo Texto

Últimas notícias

Apoio à agricultura familiar beneficia mais de 800 agricultores capixabas

A agricultura familiar no Espírito Santo teve um aporte de R$ 5 milhões ...

Contratos futuros do café se recuperam no mercado internacional

Com fundamentos inalterados, cotações seguem oscilando com base em fatores técnicos e no ...

Selo Biocombustível Social gera renda para agricultores familiares

Em 2019, o Selo beneficiou mais de 60 mil famílias da agricultura familiar, ...

Tratoraço reúne mais de dois mil veículos contra taxação do ICMS

Um tratoraço realizado na manhã de ontem (14), na Avenida Coronel Marcondes, em ...

Valor da Produção Agropecuária de 2020 é o maior da história

Foto: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil A carne bovina foi um ...