Nutrição no período seco exige atenção especial para suprir as exigências das vacas leiteiras

A nutrição das vacas leiteiras em período seco exige atenção. “De 45 a 60 dias antes do parto, as vacas deixam de ser ordenhadas e são preparadas para a próxima lactação. Nesse período, ao mesmo tempo em que as glândulas mamárias descansam, os nutrientes – antes voltados para a produção de leite – são destinados à formação final dos bezerros”, explica Iago Melo, zootecnista da Auster Nutrição Animal. “É importante ter atenção à nutrição porque os animais passam por grandes mudanças fisiológicas e metabólicas em curto período de tempo”, complementa o especialista.

“Do ponto de vista nutricional, o período seco tem cerca de 60 dias e é dividido em duas fases: pós-secagem, quando as vacas recebem dieta de baixa energia e alta fibra, facilitando o manejo do processo de secagem; e os 21 dias que antecedem o parto, na qual os teores energético e proteico da dieta aumentam em comparação aos fornecidos durante a primeira fase”, afirma o zootecnista.

Iago Melo explica que, durante o período seco, as vacas têm necessidades nutricionais diferentes das fêmeas em lactação. Para evitar ou amenizar qualquer desbalanceamento, orienta-se a ingestão de 1,8% a 2,1% de matéria seca por peso vivo; 3% de extrato etéreo; 12% a 13% de proteína bruta; 10% a 16% de amido; e FDN (fibra em detergente neutro) inferior a 35%. Tais nutrientes visam melhorar a qualidade e a quantidade de colostro, maior produção de leite na lactação seguinte e recuperação de escore corporal da vaca antes do parto.

Para o zootecnista, o produtor deve se adequar às demandas nutricionais desse período, visto que o manejo inadequado pode gerar aumento de casos de balanço energético negativo no pós-parto, além de doenças metabólicas, como acidose, laminite, deslocamento de abomaso, retenção de placenta, metrite e febre do leite.

“Porém, o maior desafio ocorre no final do período seco. Nesse momento, a vaca passa por alterações hormonais e metabólicas decorrentes da proximidade do parto, ocasionadas pelo aumento na demanda de nutrientes, crescimento acelerado do feto, síntese de colostro pela glândula mamária, depressão da imunidade, mudanças de ambiente e a inevitável queda no consumo de alimentos”, alerta Iago Melo.

Durante o período seco e o pré-parto, é comum as vacas apresentarem redução de ingestão de matéria seca, fazendo-se necessária a tomada de medidas para que o consumo seja o menos afetado possível. Entre elas, Melo recomenda dieta com inclusão de fibras, aumentando o enchimento ruminal e alcançando o escore ideal; aumento da concentração da dieta em açúcares, amido, minerais e vitaminas; sombra; cuidado com a superlotação dos lotes; separação de novilhas de vacas, se possível; evitar grandes mudanças de ambiente; fácil acesso à água limpa e fresca; espaçamento de cocho no mínimo de 80cm por vaca; e ambiente limpo e seco.

Iago Melo ressalta, também, a importância do resfriamento dessas vacas durante o período seco, de maneira a ter efeito positivo no alívio do estresse térmico, visto que submetê-las apenas ao sombreamento pode não ser suficiente para impedir o estresse em altas temperaturas e alto teor de umidade. ”Vacas submetidas a esse estresse tendem a produzir cerca de 3,5kg-4,0kg à menos na lactação subsequente em relação a vacas que são resfriadas”, acrescenta o zootecnista.

Fonte: Sta Press | Grupo Texto

Últimas notícias

Incaper lança revista sobre Indicações Geográficas e Certificação na Agropecuária Capixaba

O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) lançou a ...

Açúcar: demanda fraca pressiona cotação do cristal

Os preços do açúcar cristal recuaram no mercado paulista, enquanto as negociações estiveram ...

Brasil bate recorde histórico em exportação de frutas em 2021

A demanda internacional aquecida, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos ...

Café solúvel quebra de recordes em 2021 e exporta para 98 países

Em mais um ano marcado pelo agravamento da pandemia mundial da Covid-19, que ...

Produtores rurais afetados pela alta temperatura e estiagem recebem orientação em SP

A Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) está ...