OCB alerta instituições para atuação frente a mudanças no mundo e melhora do modelo político no Brasil

O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, diante das mudanças que se instalam no mundo, de forma mais acelerada devido à pandemia da Covid-19, destaca que as instituições de classe, como o Conselho Nacional do Café (CNC), que possui tradição e uma história a contar, precisam ser fortalecidas e reforçar a sua representação.

A colocação também se enquadra dentro do contexto de amadurecimento do modelo político no Brasil, após a eleição dos novos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, e foi feita durante Assembleia Geral Ordinária (AGO) do CNC, realizada nesta sexta-feira (25), de maneira virtual.

Freitas alerta que o cenário de pandemia trará muitas dificuldades a todos os setores, inclusive ao cooperativismo e ao agro, que propulsionam a economia do país, por isso é necessária a organização setorial. “Cabe a nós, organizados, posicionarmo-nos tecnicamente, sem emoção, com essa visão global do cenário de transformação e de mudança, para que possamos avançar e buscar os melhores cenários a nossos segmentos”, destaca.

O presidente do Sistema OCB anota, ainda, que a entidade estende todo o apoio necessário ao CNC, “que é quem age em defesa do cooperativismo cafeeiro” no Brasil. Nesse sentido, conclama as cooperativas do setor a entenderem a gigantesca transformação que ocorre no planeta, “que é o nosso mercado”, e observar como a nova geração, os novos consumidores, leem o mundo, que é muito focada na percepção.

“Temos que demonstrar nosso valor de maneira muito mais ousada, diferente, de uma forma como os jovens e as novas gerações o percebam. O mais do mesmo não está nos levando a lugar nenhum. A comunicação moderna é muito mais de percepção do que de uma propaganda direta. O CNC, as cooperativas e a cafeicultura brasileira devem encarar isso de maneira muito séria, pois isso não é uma onda, é uma tendência”, conclui.

NO CONGRESSO – O vice-líder do Governo Federal no Congresso Nacional, deputado Evair de Melo, também participou da AGO do CNC e manifestou seu trabalho para a preservação do Fundo de Defesa da Economia cafeeira (Funcafé), com suas atuações nas Frentes Parlamentares do Cooperativismo (Frencoop) e Mista do Comércio Internacional e do Investimento (FrenCOMEX), que preside, e como vice-presidente nas Frentes Parlamentares da Agropecuária e do Café.

O congressista anotou a importância do Funcafé para o setor, sendo ele o banco para o financiamento do desenvolvimento da cafeicultura nacional, e se comprometeu, no exercício de seu mandato, a continuar os trabalhos para a preservação desses recursos exclusivos à atividade.

“Precisamos fortalecer nossa representatividade. Farei qualquer sacrifício para que, em Plenário, tenhamos votos que sejam aprovados. Abro mão de um monte de outras coisas, porque quero encerrar o nosso mandato com as entregas ao nosso agro brasileiro”, posiciona-se.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Preço do leite ao produtor sobe, mas custos de produção reduzem margens

O preço do leite recebido pelo produtor manteve a tendência de alta no ...

Estimativa de safra de café é reduzida pela Conab e próxima colheita preocupa

Foto: Julio Huber O país deverá produzir aproximadamente 46,9 milhões de sacas de ...

Deflagrada nova edição da Operação Mata Atlântica em Pé

Teve início ontem (20), a Operação Mata Atlântica em Pé, iniciativa voltada ao ...

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...