Produtores da Colômbia não entregam café e compradores enfrentam perdas

Os cafeicultores da Colômbia, segundo maior produtor de arábica do mundo, não entregaram até um milhão de sacas do grão este ano ou quase 10% da safra do país, deixando exportadores, traders e torrefadores enfrentando grandes perdas, disseram fontes da indústria à Reuters, conforme divulgou o site Investing.

Os preços globais do café dispararam 55% este ano, principalmente devido ao clima adverso no principal produtor, o Brasil, levando os agricultores colombianos a um “default” para as vendas fechadas quando os preços estavam muito mais baixos, para revender o café a taxas mais altas.

“Traders estão ficando inadimplentes, é uma bagunça. Se a seca continuar (no Brasil), 300 centavos (de dólar por libra-peso de café) é possível. Vai ser um caos”, disse um operador de uma trading global de commodities agrícolas. Ele afirmou que os principais torrefadores globais estão planejando mudar a marca de seus cafés de “origem única na Colômbia” devido a problemas de abastecimento.

Os padrões de entrega em um grande produtor como a Colômbia podem exacerbar os aumentos de preços nos mercados mundiais, embora sejam temporários, porque o café existe e pesará nos mercados quando for revendido. Os produtores colombianos dizem que entregarão o café ainda este ano ou no próximo, mas os compradores não estão convencidos.

Muitos estão optando por ver perdas agora e definir as compras como inadimplência, em vez de esperar e arriscar perdas ainda maiores se os agricultores ainda não entregarem no próximo ano e os preços subirem ainda mais, de acordo com um trader sênior de outra companhia comerciante global.

Ele disse que várias comerciantes globais estão prevendo perdas de 8-10 milhões de dólares cada uma com o café não entregue, enquanto a federação de cafeicultores da Colômbia FNC, que representa os agricultores, mas também responde por 20% das 12,5 milhões de sacas de exportação anual de café do país, enfrenta perdas maiores.

FAZENDO SUCESSO – “Havia facilmente um milhão de sacas de forward (vendas de café colombiano) feitas antes que o mercado começasse a se recuperar em meados de maio”, disse o trader sênior. “Se você trabalha para uma multinacional (empresa de comércio), seu chefe dirá, vamos, temos que aceitar o golpe”.

Os padrões de entrega em um mercado de café em alta são um grande problema para os exportadores e comerciantes de commodities que muitas vezes protegem as compras físicas assumindo posições vendidas no mercado futuro, fazendo com que sofram perdas acentuadas à medida que os preços sobem.

Normalmente, os comerciantes seriam capazes de vender o café físico que lhes é devido às altas taxas atuais para compensar suas perdas no mercado futuro, mas no caso de inadimplência, eles não podem.

O chefe da FNC, Roberto Velez, confirmou à Reuters que a Colômbia está enfrentando uma inadimplência generalizada. “Posso dizer que existem poucos exportadores colombianos que não estão sofrendo (com a inadimplência). Todas as grandes casas comerciais e também a federação como grande exportadora, estamos todos sofrendo (perdas)”, disse ele.

“Quando um produtor não entrega, toda a rede fica presa, perdendo dinheiro”, acrescentou. Traders disseram à Reuters que a federação deu aos cafeicultores colombianos pelo menos mais um ano para entregar o café – uma medida que pode forçar o órgão da indústria a solicitar fundos de resgate do governo se os cafeicultores ainda não entregarem a tempo.

PERDAS – Um trader sênior de café da Louis Dreyfus Company (LDC) da Columbia deixou a empresa após sofrer prejuízos, disseram duas fontes com conhecimento do assunto.

A LDC disse que não comenta sobre mudanças organizacionais, exceto em relação aos executivos. “As empresas terão problemas com (a escala das perdas), os grandes mudarão de equipe, mas os menores irão à falência”, disse um trader sênior.

Ele acrescentou que a grande exportadora colombiana local, La Meseta, foi duramente atingida pela inadimplência dos agricultores e está lutando para cumprir seus acordos de fornecimento com torrefadores internacionais, deixando-os expostos a perdas.

La Meseta não respondeu aos pedidos de comentários da Reuters. Cerca de 550.000 famílias colombianas ganham a vida cultivando café e o país é o maior produtor do grau arábica lavado, no qual se baseiam os contratos futuros de referência na bolsa de Nova York ICE.

Texto: Maytaal Angel / Reuters

Fonte: www.br.investing.com

Últimas notícias

Especialista diz que mercado financeiro precisa acompanhar crescimento do agronegócio

Um levantamento feito em 2021 pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil ...

Tema da Semana Internacional do Café 2021 é “retomar, reencontrar, reconectar”

Depois de uma edição 100% digital histórica em 2020, a Semana Internacional do ...

Especialistas irão falar sobre a onda de títulos verdes no Brasil

A nova onda de títulos verdes que se espalha pelo setor do agro ...

Programa de treinamento para mulheres em café é lançado no Espírito Santo

Começou, na última terça-feira (19), o primeiro curso do Programa de Treinamento em ...