Produtores de café precisam avaliar lavouras para não comprometerem entrega futura

Cafeicultores precisam estar atentos à realidade produtiva para cumprirem contratos e manterem a credibilidade do Brasil como fornecedor

A capacitação do produtor é algo crescente e fundamental que vem ocorrendo nos últimos anos, fomentando a capacidade de ampliar suas margens, através, entre outras possibilidades, de realizar negócios no mercado futuro do café. Nesse cenário, as cooperativas exercem papel fundamental, gerando a qualificação necessária e contribuindo nos processos comerciais.

Para Silas Brasileiro, presidente do Conselho Nacional do Café (CNC) – entidade que representa as principais cooperativas cafeeiras do país –, a safra 2020 é um exemplo que serve como base para os negócios futuros.

“Com mais de 80% comercializados, a preços remuneradores, superiores a R$ 600 a saca em muitos casos, os cafeicultores, agora, estão afastados do mercado, pois já têm noção da quebra que terão na colheita deste ano. Dessa forma, remunerados, administram o residual do ciclo passado para comercializarem em melhores oportunidades, por valores que desejam e não pelos oferecidos atualmente”, explicou.

Para o futuro, entretanto, o dirigente pondera que os produtores precisam se atentar para a necessidade de uma avaliação segura do limite de sua produção.

“Sabemos de negócios que vêm sendo ‘travados’ para os ciclos 2022 e 2023, mas recomendamos muita precaução, principalmente em relação às condições climáticas. É necessário que os cafeicultores tenham ciência da realidade de suas lavouras para que possam confirmar, em volume e qualidade, a entrega dessas vendas futuras”, comentou.

O presidente do CNC justifica o alerta porque a capacitação dos produtores nacionais tornou o Brasil um provedor com credibilidade, entregando cafés sustentáveis e com elevada qualidade.

Segundo ele, essa postura fez com que o país fidelizasse seus clientes e o cooperativismo foi fundamental para isso, principalmente quando se pensa no mercado externo.

“Dessa maneira, é essencial que tenhamos noção de nossas realidades produtivas, sabendo o que poderemos entregar para honrar os compromissos previamente assumidos, não transmitindo a responsabilidade a nossas cooperativas, que são o que temos de melhor em nossa atividade”, concluiu.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Incaper lança sistema eletrônico de avaliação de sustentabilidade da cafeicultura

Foto: Divulgação Incaper A sustentabilidade na cafeicultura é um dos ideais que norteiam ...

Inscrições para coordenação de pesquisa sobre peixes começam na segunda-feira (24)

As inscrições para a seleção de coordenador de projeto de pesquisa do Instituto ...

Venda Nova do Imigrante é destaque em projeto de qualificação do turismo rural

A rota de Agroturismo em Venda Nova do Imigrante foi validado pelo Ministério ...

Café: números da exportação demonstram a força da produção

Com a recente divulgação dos dados de exportação do café brasileiro fica claro ...

Batata apresenta queda de preços enquanto cebola sobe nas Centrais de Abastecimento

Um dos tubérculos mais utilizados na culinária brasileira, a batata apresentou oferta recorde ...