Resultado de pesquisa com café sombreado será apresentado em vídeos

Um formato inovador de divulgação de pesquisa científica será lançado pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper). Os resultados da pesquisa sobre o cultivo de café sombreado serão apresentados, neste mês de janeiro, por meio da divulgação de uma série de quatro vídeos pelas redes sociais do Instituto. A pesquisa foi desenvolvida pelo Incaper e por parceiros que compõem a Rede de Estudos Ambientais e Socioeconômicos em Sistemas de Produção Agroecológicos. 

Os estudos foram desenvolvidos, ao longo de três anos, na Fazenda Experimental de Bananal do Norte, do Incaper, em Cachoeiro de Itapemirim. A pesquisa consistiu na avaliação de diversos aspectos da plantação de café consorciada com gliricídia, banana, ingá e pupunha, sendo composta por quatro projetos que avaliaram: a dinâmica da água, a produtividade e análise econômica; análise de qualidade e as árvores com potencial econômico. A comparação do cultivo de café sombreado foi feita entre as quatro culturas e o café sozinho,plantado a pleno sol, de modo tradicional.

A pesquisa foi realizada em rede, com parceria entre o Incaper, a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) e a Universidade Vila Velha (UVV), com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) e da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), por meio do Edital Fapes/Seag PPE Agro 06/2015.

A série com os resultados da pesquisa de café sombreado é composta por quatro vídeos, com média de quatro minutos de duração. O principal objetivo da divulgação dos resultados pelos vídeos é simplificar a linguagem técnico-científica, principalmente para o cafeicultor, de acordo com a pesquisadora do Incaper e coordenadora de um dos projetos da pesquisa, Penha Padovan. “A equipe da pesquisa avaliou que as informações integradas dos quatro projetos seriam de maior utilidade para o público em geral pelo formato em vídeo, especialmente, para os agricultores interessados na adoção do sistema agroflorestal”, frisou.  

O biólogo do Incaper e responsável pela produção dos vídeos, Almir Bressan, destacou que um dos principais objetivos é divulgar os resultados, de maneira que o conteúdo chegue ao cafeicultor com uma linguagem acessível. “Era um desafio para nós divulgar o resultado de uma pesquisa ao público final que são os agricultores. Por isso, pensamos em estratégias para apresentar o conteúdo científico de maneira simplificada e objetiva. Encontramos nos vídeos essa solução que pode ser compartilhada nos canais digitais com maior facilidade”.

O primeiro vídeo da série trata da dinâmica da água em café sombreado, seguido pelo resultado sobre a produtividade e análise econômica do sistema agroflorestal. O terceiro vídeo aborda a qualidade do café cultivado com as culturas em análise. A série é finalizada com o vídeo que destaca a potencialidade econômica das árvores utilizadas no sombreamento do café. 

Confira abaixo alguns destaques sobre os resultados da pesquisa que indicam como plantar café sombreado e os benefícios dessa técnica.

DINÂMICA DA ÁGUA – Em cafés cultivados com árvores, a dinâmica da água é influenciada tanto pelos cafeeiros quanto pelas outras culturas. Os estudos das condições ambientais em sistemas agroflorestais estimaram a quantidade de chuva interceptada pela copa das árvores de gliricídia, ingá e bananeira, utilizadas no sombreamento do café.

Foram identificados diferentes aspectos relacionados à distribuição da água da chuva, de acordo com as espécies de árvores, conforme descreveu Penha Padovan, que é doutora em Sistemas Agroflorestais. “A pesquisa mostrou que a arquitetura das plantas, as características das folhas e o manejo podem influenciar nossistemas de sombreamento do café. Vimos que a água da chuva pode tomar diferentes caminhos e o que queremos é diminuir as perdas nesse processo, deixando mais água disponível para o café”, explicou.

De acordo com o pesquisador do Incaper, Renato Taques, o estudo comparativo do teor de umidade do solo no sistema de café sombreado com as árvores de gliricídia, bananeira, ingá e a pleno sol demonstrou uma diferença significativa entre os cultivos.

“Observamos que o teor de umidade varia de acordo com a espécie utilizada no sombreamento. No estudo, a gliricídia apresentou a maior conservação de água no solo, seguida do ingá e da banana. A pesquisa indica também que o café sombreado pode conservar mais água no solo. Em uma situação de estiagem, o desempenho do café sombreado seria melhor do que o café em pleno sol, uma vez que o teor de umidade do solo é um fator fundamental para a qualidade e produtividade do café”, afirmou Taques. 

PRODUTIVIDADE E ANÁLISE ECONÔMICA – A pesquisa avaliou a produtividade e analisou economicamente o cultivo agroflorestal dos cafés sombreados com gliricídia, banana, ingá e pupunha. Foi indicado que a produtividade do café pode ser influenciada pela espécie de árvore utilizada no sombreamento, como explicou o coordenador do projeto e pesquisador do Incaper, João Araújo. 

“Os cafés com bananeira e gliricídia não se diferenciam do café solteiro e apresentaram produtividades iguais. Já o café com pupunha e com ingá produziram 32% a mais que o café solteiro, indicando que a pupunha e a árvore de ingá são plantas companheiras para o café nessa situação de cultivo do cafeeiro conilon não irrigado”, descreveu Araújo.

O cultivo de café sombreado ajuda a diversificar a produção nas propriedades agrícolas. Além disso, as sombras das árvores associadas a café ajudam a diminuir o mato nas entrelinhas, reduzindo a necessidade de mão de obra para capina e minimizando, assim, os custos de produção. Outro ponto relevante destacado na pesquisa é que as sombras das árvores oferecem maior conforto térmico para o produtor rural.

ANÁLISE DE QUALIDADE – Um dos projetos da pesquisa, coordenado pelo professor do Ifes, Wanderson Romão, realizou a análise da qualidade do café cultivado a pleno sol, comparado ao cultivo sombreado. A pesquisa utilizou equipamentos de ponta para análise dos cafés, cujos resultados foram comparados com a metodologia de análise sensorial padrão, realizada por degustadores de café. 

As amostras de café consorciadas com gliricídia obtiveram as notas mais elevadas e os melhores resultados. Todas as amostras foram caracterizadas quimicamente pelas técnicas analíticas utilizadas. Os cafés cultivados a pleno sol, de modo tradicional, foram os que obtiveram as menores notas de qualidade. A incidência direta da radiação solar faz com que haja uma maior temperatura no ambiente, o que afeta tanto a maturação quanto a frutificação dos grãos, além da qualidade.

ÁRVORES COM POTENCIAL ECONÔMICO – As culturas associadas no plantio de café sombreado podem contribuir economicamente, gerando uma alternativa de renda para o agricultor, como indicou um dos projetos da pesquisa. O cultivo de café sombreado também apresenta uma alternativa para diminuir as perdas na produção em tempos de secas prolongadas e altas temperaturas.

A produção de café consorciada gera madeira, frutos, óleos, resinas e outros produtos que oferecem maior valor agregado e podem ser comercializados. A pesquisa sobre espécies arbóreas para composição de café sombreado, coordenada pela professora da UVV, Denise Endringer, avaliou, ainda, a gliricídia como fonte de produtos bioativos, que podem ser utilizados na composição de cosméticos.

A série de vídeos sobre café sombreado será divulgada, ao longo do mês de janeiro e fevereiro, nos canais do Incaper no InstagramFacebook e YouTube. Os cafeicultores interessados em plantar café sombreado podem buscar auxílio técnico nas unidades do Incaper.

Fonte: Incaper

Últimas notícias

Agro brasileiro é a solução para mitigar as emissões de carbono e para as mudanças climáticas do país

Foto: Cauê Diniz O Brasil tem tudo: agroambiente, água, floresta e pessoas. Por ...

Cresce o número de fazendas de soja certificada no Brasil

De norte a sul, de leste a oeste, é assim que a Round ...

Na contramão da seca, Cooperativa recupera 52 nascentes

O Projeto Olho D’Água, desenvolvido pela Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus), em parceria ...

Semana começa com chuva passageira no litoral e sol entre nuvens no interior capixaba

A semana do capixaba começa com chuva passageira no começo no trecho litorâneo ...

Pesquisadores sistematizam lista de produtos registrados para a cultura do amendoim

Todos os produtos autorizados para a cultura do amendoim reunidos num só lugar ...