Dispersão de produtos biológicos com a utilização de drones ganha força nas lavouras

Aeronaves remotas adaptadas lançam predadores naturais para auxiliar no controle de pragas

O controle de pragas, a partir do uso de seus inimigos naturais, vem fazendo a diferença em lavouras de todo o planeta e conquistando novos adeptos. São os chamados defensivos agrícolas biológicos ou biodefensivos. O setor cresce em ritmo acelerado e deve fechar 2021 com alta de 33%, movimentando R$ 1,79 bilhão em vendas, segundo dados da CropLife, entidade que representa o setor.

O uso desses ‘agrotóxicos’ naturais ganhou força com a utilização de drones no combate a pragas em plantações de soja, milho e arroz no Rio Grande do Sul. “Quem quiser produzir mais tem que aderir às novas tecnologias e o controle biológico é uma delas”, declara Alex Kologeski, diretor e responsável técnico da Agroplantas, empresa especializada em serviços de agricultura de precisão e consultoria agrícola.

Ele conta que a novidade é resultado de um trabalho em equipe, fruto de parceria com outras duas empresas. “Um levantamento completo da área e das pragas existentes vai determinar a tomada de decisão correta. O material a ser utilizado no ataque às pragas é fornecido pela Promip, empresa referência nesse tipo de manejo. Nós utilizamos a tecnologia dos drones, que foram adaptados para a função, e a Tchê Agrícola faz a comercialização”, acrescenta.

Um engenheiro agrônomo monitora os serviços e acompanha os resultados nas propriedades. Guilherme Storck explica que a aeronave remota é adaptada para a função. “Um dispositivo acoplado é usado para dispersão dos agentes biológicos, são levados ovos de pequenas vespas, que são predadores naturais de diferentes espécies. Conforme a operação a ser realizada, muda-se a regulagem do equipamento”.

No serviço disponibilizado são liberados os ovos de microvespas (trichogramma pretiosum e telenomus podisi) em áreas que tenham a presença de lagartas – lepidópteras e percevejo marrom, duas importantes pragas nas culturas da soja, milho e arroz. “Ao nascerem, as microvespas parasitam os ovos dessas espécies, controlando-as ainda na fase de ovo (fase jovem). Uma forma biológica de controle de pragas e reposição dos inimigos naturais”, explica Luciano Moreira, consultor técnico da Promip / RS, empresa de base tecnológica que reúne em seu portfólio produtos biológicos e serviços especializados para a implementação de Programas de Manejo Integrado de Pragas.

O profissional alerta para a necessidade de manter o monitoramento constante e entrar com o manejo no momento preciso. “Uma vez identificada a praga e, considerando o percentual necessário de controle, deve-se começar a fazer a dispersão dos ovos desses parasitóides”, diz.

O Manejo Integrado de Pragas (MIP), método de controle racional e sadio, busca utilizar esses inimigos naturais sem deixar resíduos nos alimentos. Além de trazer bons resultados, é inofensivo ao meio ambiente e à saúde da população.

“Ter dados precisos é fundamental para o sucesso da lavoura ou negócio rural e a orientação correta é fundamental. Além de minimizar custos e possibilitar melhores ganhos, a Agricultura de Precisão colabora com a produção de alimentos de forma sustentável e segura para tornar o mundo um lugar melhor para todos”, finaliza Alex.

Últimas notícias

Tema da Semana Internacional do Café 2021 é “retomar, reencontrar, reconectar”

Depois de uma edição 100% digital histórica em 2020, a Semana Internacional do ...

Especialistas irão falar sobre a onda de títulos verdes no Brasil

A nova onda de títulos verdes que se espalha pelo setor do agro ...

Programa de treinamento para mulheres em café é lançado no Espírito Santo

Começou, na última terça-feira (19), o primeiro curso do Programa de Treinamento em ...

Aberta consulta pública para melhorias dos requisitos de identidade e qualidade do presunto

As alterações propostas são aplicáveis ao presunto produzido em estabelecimento com SIF, buscam ...