Ervas de Provence: cultive em casa e dê um toque francês nas refeições da família

Campanha Pratique Plantoterapia incentiva o semeio de temperos de qualidade em lares brasileiros

A culinária francesa é referência para inúmeros chefes de cozinha profissionais e, também, para cozinheiros amadores. A gastronomia do país é repleta de sabores e aromas marcantes, que inspiram pratos da culinária do mundo todo. Um dos temperos mais reconhecidos é a Erva de Provence.

Com o final da Segunda Guerra Mundial, a americana Julie Child mudou-se para a França, fez o curso de culinária Le Cordon Bleu, entre outros, e ficou famosa como chef. Escreveu livros e apresentou programas de televisão para os EUA. Com o sucesso da chefe de cozinha, os americanos começaram a pedir por um tempero que oferecesse às preparações um toque francês.

E então, na década de 70, Child criou as Ervas de Provence, que se resumem em uma mistura de alecrim, tomilho, orégano, manjerona e flores de lavanda. A combinação confere aos pratos um aroma de campo primaveril e a sofisticação da culinária francesa, podendo ser utilizada em muitas receitas, como ensopado de vegetais, carne, frango assado ou peixe.

A mistura, ainda, pode receber outras ervas para agregar sabor aos pratos. Além do elevado nível de sofisticação do tempero, ele, ainda, é benéfico para o organismo, pois, ao mesmo tempo em que ganha em sabor, consegue diminuir a quantidade de sal utilizada no prato.

Essas e outras ervas podem ser cultivadas em casa, para garantir a qualidade final do seu tempero. Elas ocupam pouco espaço e podem ser plantadas em maior quantidade.

O CULTIVO – O cultivo do tempero francês é prático. As ervas devem ser cultivadas a partir de sementes, para garantir a qualidade final da mistura. É indicado o plantio em um solo bem solto, com cerca de 20 cm de profundidade, com um pouco de adubo natural e um punhado de NPK (adubo que contém nitrogênio, fósforo e potássio). Como são plantas pequenas e rápidas, também podem ser plantadas em vasos. Depois que brotarem, recomenda-se deixar só as mudas mais fortes nas plantas.

Quando elas estiverem grandes, o jeito mais prático de secá-las é ao ar. Basta juntar de 5 a 10 galhinhos por maço, colocar em um saco de papel com orifícios para ventilação, amarrar com um barbante e pendurar de cabeça para baixo em uma sala quente e bem ventilada. Em cerca de uma semana, elas deverão estar secas.

Devidamente secas e misturadas, as ervas são empregadas em muitas receitas e de diversas formas: como tempero para carne ou peixe, incorporada em líquidos como sopas, ensopados, molhos em geral, e para dar sabor, principalmente quando são misturadas com azeite ou manteiga.

Fonte: Attuale Comunicação

Últimas notícias

Ufes obtém registro de nova cultivar de café conilon com alto teor de cafeína

A Ufes obteve o registro de mais uma cultivar de café conilon no ...

Promoção de cafés especiais do Brasil em Dubai pode render US$ 23,4 milhões

Ação coordenada pela BSCA levou 19 empresas brasileiras à World of Coffee, que ...

Vinícolas gaúchas promovem atrações para celebrar a colheita da uva

Crédito: Renato Soares/MTur Tem início a temporada da Vindima no Sul do país ...

Parceria prevê US$ 100 milhões para projetos de redução das emissões de metano

Para secretário de Inovação do Mapa, Fernando Camargo, iniciativa pode ajudar países a ...

Valor da contribuição mensal do MEI vai aumentar em fevereiro

Os microempreendedores individuais devem ficar atentos ao reajuste na contribuição mensal, que passa ...