Prêmio reconhece boas práticas para Sistemas Agrícolas Tradicionais

A iniciativa identifica as melhores práticas em projetos agrícolas, extrativistas, pesqueiros e afins, que empregam conhecimentos e técnicas da cultura de comunidades e povos tradicionais

A edição do Prêmio BNDES de Boas Práticas para Sistemas Agrícolas Tradicionais será realizada de forma virtual nesta sexta-feira (21), às 10h. A iniciativa reconhece as melhores práticas em projetos agrícolas, extrativistas, pesqueiros e afins, que empregam conhecimentos e técnicas da cultura de comunidades e povos tradicionais.

As dez ações vencedoras, selecionadas por meio de edital, serão homenageadas ao longo da programação. Os três primeiros colocados foram premiados com R$ 70 mil cada um e as demais iniciativas selecionadas com R$ 50 mil.

Caracterizados pelo uso de técnicas tradicionais de produção, os Sistemas Agrícolas Tradicionais (SATs) envolvem espaços, práticas alimentares e agroecossistemas manejados por povos e comunidades tradicionais e por agricultores familiares, nos quais elementos culturais, ecológicos, históricos e socioeconômicos interagem, formando diferentes arranjos e técnicas produtivas.

O Prêmio é fruto da parceria entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO/ONU).

>> Clique aqui e acompanhe o II Prêmio BNDES SATs pelo canal da Embrapa no Youtube

Durante o evento, será lançado pelo Mapa, por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF), o “Guia para elaboração de propostas ao reconhecimento internacional de Sistemas Importantes do Patrimônio Agrícola Mundial: Orientações aos postulantes”. O material é uma versão adaptada do manual em inglês elaborado pela FAO.

O documento fornece orientações para a elaboração de propostas nacionais ao reconhecimento internacional oferecido pelo programa Sistemas Importantes do Patrimônio Agrícola Mundial (SIPAM), da FAO. A iniciativa ressalta a importância global de sistemas agrícolas locais para a conservação dos recursos fitogenéticos, a segurança alimentar e nutricional, a proteção dos conhecimentos tradicionais e a conservação do patrimônio cultural e socioambiental.

“O Brasil, com sua imensa sociobiodiversidade, possui diversos Sistemas Agrícolas Tradicionais com potencial para serem reconhecidos pelo programa SIPAM. Para que isso se torne realidade e possa refletir em benefícios para as comunidades tradicionais, é preciso ter atenção na hora de elaborar a proposta. Nossa expectativa é que o guia auxilie de forma significativa cada pretendente a organizar sua proposição e preencher o formulário para a submissão da proposta”, destaca o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Mapa, Fernando Schwanke.

Haverá também o lançamento do catálogo de premiados da 2ª Edição do Prêmio BNDES SATs, produzido pelo Iphan. Nesta edição foram recebidas 41 propostas de todas as regiões e biomas brasileiros, das quais 33 foram habilitadas.

PREMIADOS – O primeiro lugar ficou com o projeto da Casa das Frutas de Santa Isabel do Rio Negro (AM), proposto pela Associação das Comunidades Indígenas do Médio Rio Negro (ACIMRN) para estruturar e gerir a cadeia de valor de produtos desenvolvidos com frutas secas no município. A iniciativa resultou no projeto arquitetônico e construção de uma casa de beneficiamento de frutas secas, que será utilizada por agricultores de comunidades indígenas de diversas etnias da região. 

O projeto de conservação da agrobiodiversidade por meio da Rede de Bancos Comunitários de Sementes da Paixão do Território da Borborema (PB) ficou com o segundo lugar. Apresentado pelo Polo Sindical e das Organizações da Agricultura Familiar da Borborema, o projeto, localizado no Sertão da Paraíba e iniciado em 1993, mapeou e promoveu o resgate e a conservação das sementes crioulas, conhecidas como “sementes da paixão”. Atualmente, a rede atende 4.308 famílias e conta com o envolvimento de 1.304 guardiões.

A terceira colocação ficou com a candidatura das comunidades de apanhadoras de flores sempre-vivas da porção meridional da Serra do Espinhaço (MG) ao programa SIPAM. A ação foi apresentada pelo Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA-NM) como estratégia de valorização dessas comunidades. Em 2020, o SIPAM concedeu o título a essas comunidades, reconhecendo as iniciativas seculares de povos tradicionais da região, que desenvolvem suas práticas agrícolas a partir de conhecimentos indígenas mesclados com influências de portugueses e africanos no período colonial. As famílias unem agricultura, criação e coleta de flores, e convivem de forma harmônica com todos os ambientes naturais.

Também foram premiados: A Associação Etnocultural Indígena Enawene Nawe, do Noroeste de Mato Grosso, pelo Ritual do Iyaokwa, que marca o início do calendário anual deste povo; o Centro Cultural Kàjre, pela feira de sementes tradicionais do povo indígena Krahô, em Goiatins, no estado do Tocantins; a Associação Comunitária dos Pequenos Criadores do Fecho de Pasto, do Oeste da Bahia, pela iniciativa dos guardiões e guardiãs do Cerrado em defesa da biodiversidade; a Associação dos Pescadores Artesanais de Porto Moz (Aspar), no Pará, pela conservação dos estoques pesqueiros e fortalecimento da entidade e da categoria; a Associação Indígena Ulupuwene, do Alto Xingu, pela festa do Kukuho (espirito da mandioca); o Centro de Tecnologias Alternativas Populares, do Rio Grande do Sul, pela conservação e manutenção dos potreiros tradicionais, por meio do aproveitamento e uso das espécies vegetais nativas; e o Centro de Agricultura Alternativa Vicente Nica, em Minas, pelo Catálogo de Sementes do Alto Jequitinhonha.

BOAS PRÁTICAS – O Prêmio BNDES SATs reconhece e identifica boas práticas de conservação dinâmica de bens culturais materiais e imateriais associados à agrobiodiversidade em Sistemas Agrícolas Tradicionais por todo o Brasil. As duas edições do prêmio permitiram o mapeamento de 53 SATs, com potencial para serem reconhecidos como um sítio SIPAM.

A iniciativa envolve ações interinstitucionais do governo federal, em parceria com organismos internacionais, para a promoção desses sistemas e da sociobiodiversidade no Brasil, reconhecendo o papel de destaque das comunidades e povos tradicionais na manutenção dos SATs.

Dentre as ações do Mapa para fomentar esses sistemas, está o programa Bioeconomia Brasil, lançado em junho de 2019. A iniciativa promove articulações entre Poder Público, pequenos agricultores, agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais e seus empreendimentos e o setor empresarial, visando a estruturação de sistemas produtivos baseados no uso dos recursos da sociobiodiversidade e do extrativismo.

O quarto eixo de estruturação do programa tem o propósito de impulsionar a conservação da agrobiodiversidade, por meio do reconhecimento de SATs e fomento das ações para conservação dinâmica destes sistemas, com foco no uso sustentável de seus recursos naturais, ou seja, gerando renda, agregação de valor e manutenção da diversidade genética de sementes e plantas cultivadas.

RECONHECIMENTO – O programa SIPAM tem o objetivo de identificar e salvaguardar SATs de relevância global, incluindo as paisagens, biodiversidade agrícola e conhecimentos tradicionais associados. Desde sua criação, no ano de 2002, o programa vem ganhando reconhecimento, tanto em nível nacional quanto internacional, quando o assunto é conservação do patrimônio agrícola e de desenvolvimento sustentável dos sistemas de produção alimentar. Como resultado, o número de Sítios SIPAM tem aumentado ao longo dos anos. Atualmente existem 62, distribuídos por 22 países.

No Brasil, o primeiro sistema agrícola reconhecido como sítio SIPAM foi o Sistema de Agricultura Tradicional da Serra do Espinhaço Meridional de Minas Gerais, também conhecido como “apanhadores de flores sempre-vivas”. A cerimônia para entrega do certificado, realizada em maio de 2020, contou com a presença da ministra Tereza Cristina e da primeira-dama, Michele Bolsonaro. O Ministério da Agricultura foi responsável por coordenar, por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo, o encaminhamento do dossiê para a candidatura do SAT e do Plano de Conservação Dinâmica do Sistema, em conjunto com o Ministério das Relações Exteriores (MRE). 

Fonte: Mapa

Últimas notícias

Coops já podem enviar projetos para o PAA

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) liberou o sistema para recebimento dos projetos ...

Selo Arte para produtos de abelhas e derivados terá início em outubro

Podem receber o Selo produtos artesanais de abelhas Apis mellifera e de abelhas ...

Você conhece a Doença de Haff? Mapa monitora casos no Brasil

Orientação é que consumidor adquira pescado com selo de inspeção oficial O Ministério ...

Fórum Café e Clima apresenta condições da produção diante dos impactos climáticos

Como os cafezais estão reagindo diante do comportamento do clima, marcado por seca, ...

Bolsonaro veta projeto sobre medidas emergenciais de amparo à agricultura familiar

Foto: Veja O presidente Jair Bolsonaro vetou um projeto de lei sobre medidas ...