Safra 2021 da noz-pecã traz boas expectativas aos produtores e indústrias

Com estimativa de colheita que pode atingir as 4 mil toneladas, Brasil deve voltar a figurar entre os maiores produtores da fruta

Com a colheita da noz-pecã no Rio Grande do Sul se aproximando – a partir de abril – a expectativa é de movimentação intensa nos pomares a partir das próximas semanas. As nogueiras são cultivadas em cerca de 15 mil hectares no RS, SC e PR, sendo 8 mil apenas no Rio Grande do Sul. O solo e o clima temperado do Sul do Brasil são ideais para o cultivo da planta.

Assim como em 2020, a colheita vai ocorrer em meio a pandemia da Covid-19, e, enquanto nos pomares os frutos estão em fase final de maturação, na indústria, os preparativos de higiene e prevenção estão sendo finalizados, para o início da seleção e processamento dos frutos colhidos. 

Porém, a safra 2021 deve retomar os bons números de 2019, quando o Brasil colheu 3.500 toneladas da fruta e assumiu o posto de quarto maior produtor mundial de noz-pecã. Porém, esse ranking foi perdido em 2020 com a queda na produção devido à instabilidade climática, como chuva durante a florada e depois estiagem, como explica Edson Ortiz, diretor da Divinut, maior compradora de noz-pecã da América do Sul. “A safra de 2019, que chegou a 3.500 toneladas, colocou o Brasil no ranking mundial da produção da fruta, atrás apenas México, EUA e África do Sul. No entanto, a sazonalidade da cultura e os problemas climáticos reduziram a produtividade em 2020 para cerca de 1.300 toneladas”, destaca Ortiz. 

Para 2021, a projeção é repetir os bons números de 2019, com cerca de 3.500 toneladas de noz-pecã. “Para esta safra, com o clima se mantendo estável, a expectativa é de talvez chegar em 4 mil toneladas. Assim, vemos um grande futuro da produção de noz-pecã no Brasil”, enfatiza Edson.

A empresa conta hoje com o maior viveiro de mudas de nogueira-pecã em raiz coberta do mundo, sendo uma das grandes beneficiadoras do fruto do Brasil, com ampla variedade de opções de frutos inteiros e em pedaços. Para atingir esses números, hoje a empresa conta com mais de 3 mil produtores em 600 municípios do Sul do Brasil. Em sua maioria, são agricultores e pecuaristas familiares, que viram na nogueira pecã uma opção para diversificação da renda e também como elemento de fixação do jovem no campo. 

Além da compra da produção, o Sistema de Parceria da empresa também assegura aos produtores rurais assistência continuada em todas as etapas, planejamento do plantio, mudas registradas e aperfeiçoamento da produção. 

“Nos próximos anos o Brasil pode se tornar um player importante no mercado mundial da noz-pecã, agregando renda aos pequenos produtores e marcando a presença dos “novos rurais”, como médicos e advogados que investem no agro e estão aderindo ao ramo da noz-pecã. E, tudo, isso, levando saúde aos consumidores”, finaliza Ortiz.

Fonte: AgroUrbano

Últimas notícias

Evento discute o futuro da produção de alimentos e do agronegócio no país até 2050

“Agronegócio, pesquisa e inovação no Brasil – caminhos para o futuro da produção ...

Perspectivas do mercado de grãos no Espírito Santo serão debatidas na próxima semana

Iniciando o calendário de capacitações e qualificações para seus parceiros e associados em ...

Sistemas de recirculação de água podem ser usados para produzir peixes em nível comercial

Foto: PqC. Eduardo Medeiros Pesquisas realizadas pelo Instituto de Pesca (IP-APTA), da Secretaria ...

Fungo inédito no inhame e na samambaia é descoberto por pesquisadores

Um novo fungo que acomete o inhame e a samambaia preta foi encontrado, pela primeira ...

Como os insetos dão pistas aos peritos na cena do crime

Embora a visão de larvas em um cadáver não seja agradável, elas podem ...