Safra 2021 da noz-pecã traz boas expectativas aos produtores e indústrias

Com estimativa de colheita que pode atingir as 4 mil toneladas, Brasil deve voltar a figurar entre os maiores produtores da fruta

Com a colheita da noz-pecã no Rio Grande do Sul se aproximando – a partir de abril – a expectativa é de movimentação intensa nos pomares a partir das próximas semanas. As nogueiras são cultivadas em cerca de 15 mil hectares no RS, SC e PR, sendo 8 mil apenas no Rio Grande do Sul. O solo e o clima temperado do Sul do Brasil são ideais para o cultivo da planta.

Assim como em 2020, a colheita vai ocorrer em meio a pandemia da Covid-19, e, enquanto nos pomares os frutos estão em fase final de maturação, na indústria, os preparativos de higiene e prevenção estão sendo finalizados, para o início da seleção e processamento dos frutos colhidos. 

Porém, a safra 2021 deve retomar os bons números de 2019, quando o Brasil colheu 3.500 toneladas da fruta e assumiu o posto de quarto maior produtor mundial de noz-pecã. Porém, esse ranking foi perdido em 2020 com a queda na produção devido à instabilidade climática, como chuva durante a florada e depois estiagem, como explica Edson Ortiz, diretor da Divinut, maior compradora de noz-pecã da América do Sul. “A safra de 2019, que chegou a 3.500 toneladas, colocou o Brasil no ranking mundial da produção da fruta, atrás apenas México, EUA e África do Sul. No entanto, a sazonalidade da cultura e os problemas climáticos reduziram a produtividade em 2020 para cerca de 1.300 toneladas”, destaca Ortiz. 

Para 2021, a projeção é repetir os bons números de 2019, com cerca de 3.500 toneladas de noz-pecã. “Para esta safra, com o clima se mantendo estável, a expectativa é de talvez chegar em 4 mil toneladas. Assim, vemos um grande futuro da produção de noz-pecã no Brasil”, enfatiza Edson.

A empresa conta hoje com o maior viveiro de mudas de nogueira-pecã em raiz coberta do mundo, sendo uma das grandes beneficiadoras do fruto do Brasil, com ampla variedade de opções de frutos inteiros e em pedaços. Para atingir esses números, hoje a empresa conta com mais de 3 mil produtores em 600 municípios do Sul do Brasil. Em sua maioria, são agricultores e pecuaristas familiares, que viram na nogueira pecã uma opção para diversificação da renda e também como elemento de fixação do jovem no campo. 

Além da compra da produção, o Sistema de Parceria da empresa também assegura aos produtores rurais assistência continuada em todas as etapas, planejamento do plantio, mudas registradas e aperfeiçoamento da produção. 

“Nos próximos anos o Brasil pode se tornar um player importante no mercado mundial da noz-pecã, agregando renda aos pequenos produtores e marcando a presença dos “novos rurais”, como médicos e advogados que investem no agro e estão aderindo ao ramo da noz-pecã. E, tudo, isso, levando saúde aos consumidores”, finaliza Ortiz.

Fonte: AgroUrbano

Últimas notícias

Nova instrução normativa de bem-estar animal nas granjas brasileiras é tema de evento on-line

A nova instrução normativa (IN 113/2020) que visa as adequações de manejo e ...

Líbia prepara primeira exposição focada em cafés

Evento reunirá produtores, vendedores, representantes de marcas nacionais e regionais, além dos amantes ...

Jerônimo Monteiro realiza primeira Mostra de Café Especial

O município de Jerônimo Monteiro vai realizar a 1ª Mostra de Café Especial. ...

Tradição familiar no agronegócio em evidência na Praça do Papa

A tradição familiar marca o agronegócio capixaba, que, segundo dados do Governo do ...

Ação de fiscalização do Mapa apreende 173 mil litros de bebidas com indícios de fraude

Uma ação de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) resultou ...