Startup lança o “Mercado Livre” da pecuária de corte

Ex-aluno da Esalq cria a Central do Boi, plataforma gratuita com foco no gado de corte para anunciar, comprar e vender

Uma plataforma de comercialização de bovinos em um ambiente seguro, transparente e de fácil acesso está no ar há pouco mais de um mês, e promete popularizar o mercado digital da pecuária brasileira.

Formatado na EsalqTec Incubadora Tecnológica, a Central do Boi é uma plataforma com foco no gado de corte de reposição e permite ao usuário anunciar, comprar e vender terneiros, novilhos, vaca de invernar, machos e fêmeas pela internet, de forma prática, segura e gratuita. Em outras palavras, é como se fosse o “Mercado Livre” em que todos podem ser comerciantes, compradores e anunciantes ao mesmo tempo. Porém, com a aplicação de ferramentas necessárias para gerar informação e negociações seguras. O projeto, que vinha sendo desenvolvido há quatro anos, teve um empurrãozinho da pandemia com o crescimento da preferência pelo digital.

O fundador da empresa e idealizador do projeto, Matheus Scalco Mallmann, explica que a proposta é oferecer ao produtor e ao corretor de gado a possibilidade de expansão dos negócios, mantendo a comercialização direta entre as partes. “Há uma dinâmica própria nesse setor, ainda tem muito olho no olho e acordos fechados no ‘fio do bigode’. A Central do Boi não tem a pretensão de substituir isso, mas possibilitar melhores negócios, com diminuição de custos, mais segurança e menos riscos. Estamos realmente propondo uma transformação no mercado digital da pecuária”, garante.

Entre o público-alvo estão os corretores de gado que, em sua maioria, atuam informalmente e não são institucionalizados. “Hoje qualquer pessoa pode ser corretora e a concorrência é enorme. Oferecemos que ele se diferencie dos demais profissionais da área, a nossa proposta é justamente qualificar esses usuários / intermediários, que são responsáveis por grande parte das negociações e da liquidez da atividade pecuária. Afinal, um dos grandes atrativos do setor é justamente a liquidez e quem possibilita isso é o corretor”, complementa Matheus.

“Tem muita gente tentando vender ou comprar por aplicativo de mensagem ou rede social, mas é comum haver mistura dos lotes e o envio de coisas erradas, além disso o celular fica cheio de vídeos de gado e está feita a confusão”, compara Bruno Scalco, responsável pelo marketing. “A Central do Boi oferece toda uma infraestrutura, a dinâmica foi bem pensada e a tecnologia permite isso. A vontade de negociar on line está crescendo, estudos e pesquisas apontam que o produtor rural entra na internet pelo menos uma vez por semana, o mercado é promissor”.

COMO FUNCIONA – As fotos ou vídeos dos lotes ofertados vêm acompanhados de informações como raça, peso e preço sugerido. Os interessados em vender ou comprar fazem o cadastro no site de forma simples. Havendo interesse em algum lote, as duas partes devem negociar entre si, e a Central do Boi auxilia quando solicitada, sem cobrança de comissão. Em breve entrarão no ar funcionalidades como pagamento via plataforma e sistema de avaliação. “Assim como o passageiro dá nota para o transporte por aplicativo depois de utilizá-lo, nossos produtores, corretores e usuários avaliarão a transação e se o combinado foi cumprido. Ser bem-conceituado oferece segurança a todos os interessados para as próximas compras”, compara Matheus.

De olho no mercado – outra ferramenta de segurança oferecida é a atualização constante, no site, de informações do mercado e indicadores, como preço do boi gordo, oferta e demanda de abates. “Uma das grandes inseguranças do produtor é não saber se está recebendo ou pagando o valor que o gado realmente vale. Ao estar bem informado, ele passa a ter tranquilidade de que está fazendo o melhor negócio”, esclarece Matheus.

A startup de marketplace na pecuária forjada na Esalq

A ideia da Central do Boi surgiu durante especialização em Pecuária de Corte na USP/Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), em Piracicaba (SP), um importante polo de tecnologia agrícola do país. O projeto começou a tomar forma na incubadora EsalqTec, o braço tecnológico da Universidade de São Paulo (USP). “Trabalhando em uma consultoria, conheci fazendas no Brasil inteiro e vi que a comercialização impacta muito no planejamento. Me chamou muito a atenção que, dependendo da habilidade comercial, o produtor tem um resultado bom ou não. Ele sabe produzir bem o animal, mas nem sempre sabe vender. Então pesquisei fontes, meios de comercialização em diversos países, vi que é um problema importante, mas que tem um potencial muito grande para melhorar”, recorda.

A paixão de Matheus pela pecuária vem da infância, na fazenda do avô em Nova Santa Rita, a 30 quilômetros de Porto Alegre. “Eu achava que ia crescer e trabalhar lá. Eles venderam a fazenda, mas, antes ainda, meu pai sofreu um calote. Foi a primeira vez que eu tive contato com um dos problemas da comercialização. Por isso o nosso empenho, temos como proposta que as pessoas possam comercializar sem medo”, finaliza.

Fonte: AgroUrbano

Últimas notícias

Coops já podem enviar projetos para o PAA

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) liberou o sistema para recebimento dos projetos ...

Selo Arte para produtos de abelhas e derivados terá início em outubro

Podem receber o Selo produtos artesanais de abelhas Apis mellifera e de abelhas ...

Você conhece a Doença de Haff? Mapa monitora casos no Brasil

Orientação é que consumidor adquira pescado com selo de inspeção oficial O Ministério ...

Fórum Café e Clima apresenta condições da produção diante dos impactos climáticos

Como os cafezais estão reagindo diante do comportamento do clima, marcado por seca, ...

Bolsonaro veta projeto sobre medidas emergenciais de amparo à agricultura familiar

Foto: Veja O presidente Jair Bolsonaro vetou um projeto de lei sobre medidas ...